Red District This Side of the Moon 52 por C.C e Mel Kiryu

 

  Prologo (Por Mel Kiryu)
                             O coração de um mafioso servido numa bandeja

             A espera pelo desenho feito por Watari tinha tornado os efeitos da desilusão amenizados, por vezes adormecidos. Hagane quase podia deixar de lado a frustração que volta e meia tornava a alfineta-lo.
    Tinha parado para pensar diversas vezes na conversa e na briga que tiveram quando convidara Watari para tomar um café. Por alguma razão, Watari ficava furioso quando tocava em seus sentimentos por Lawrence e primeiramente Hagane considerou que Watari ficasse assim por ter espionado a vida dele.
    Não, era outra coisa.

Red District This Side of the Moon 51 por C.C & Mel Kiryu


Prólogo - Doce vs Amargo (por C.C)

A escolha daquele café em particular não fôra ao acaso. Para além de ser um lugar calmo e reservado não iria haver possibilidade de serem vistos juntos por pessoas indesejadas. Para Watari não seria um problema mas tinha consciência que a sua saida abrupta da máfia não fôra vista com bons olhos por muita gente e isso poderia vir a trazer problemas para Hagane. E por acaso tinha um livro para devolver.
Chegou uns vinte minutos antes da hora marcada. Por vezes era dificil arranjar mesa e queria um sitio que fosse o mais discreto possivel. Ocupou o seu lugar indicado por uma das empregadas e decidiu esperar enquanto ouvia música e desenhava. O saco de doces pousado sobre o seu caderno iniciou a conversa que não parecia sequer falada pelas mesmas pessoas que se haviam encontrado inesperada e impulsivamente dias atrás.
                                                                  ***

Roteiro de "The Scarlet Curse" (Nova estória) por Golden Moon


The Scarlet Curse, por GoldenMoon  

(Sinopse e apresentação de personagens)



Sinopse


Louis D'Greece perdeu-se de seus companheiros de viagem inesperadamente e quase que magicamente. Seu cavalo correu como louco, assustado, desembocando em um local estranho, desconhecido a ele. Perdido em meio à floresta, o rapaz encontra Ayrés que carrega um sorriso tranquina, mas o ajuda dando-lhe abrigo e um pouco de esperança. Deste infortúnio ocorrido, estranhos fatos e mistérios começam a rondar a vida de Louis e ele vê-se decidido a responder a pergunta que lhe aparece a cada novo acontecimento:

O que a sua família lhe escondeu todo esse tempo?

Hoshi wa shitte iru 25 por Rima-san e Mel Kiryu

       
 Capítulo 25 
                          Pequenos e risíveis detalhes tornam ainda mais singelo o amor
                                                    (Por Mel Kiryu)

                           Cheguei da casa de Take cheio de fome e fui até a cozinha cair de boca numa salada de grão de soja.
      Eu estava comendo de pé mesmo, em frente ao balcão e minha mãe entrou também na cozinha para dar uma olhada no arroz que estava em fogo brando.
     E da panela, passou os olhos curiosos para mim.
__ Hoje foi mais cedo para a casa do Takehisa?
__ Ele me ligou ontem de tarde, daí nós dois marcamos...__ Eu disse lambendo a colher.
     Minha mãe apagou o fogo e pôs a tampa de vidro sobre a panela, sem deixar de olhar na minha direção.
__ E como foi o passeio noturno com Vogel e aquele seu amigo?
__ Ah, foi legal...__ Retruquei, sabendo que não era bem isso que minha mãe queria sondar.
    E peguei um grão de soja temperado levando a boca, olhei para minha tigela e minha mãe recomeçou.

Hoshi wa shitte iru 24 por Rima-san & Mel Kiryu


Capitulo 24
Uma fortaleza indestrutível também rebenta  (por Rima-san)

Deitar e pensar em Lang era das melhores coisas que podia ter para conseguir adormecer tão bem, ter sonhos com ele, já era uma mistura confusa de pensamentos, acordei depois de um sonho completamente transpirado, ainda tinha a sensação de ter Lang ao meu lado, meus pelos do corpo ainda estavam arrepiados como se sentisse o toque dele.
Segurei meu pulso sentindo a pulseira que ele me ofereceu, isso me tinha feito sentir tão feliz, mas antes de vir para casa tive a sensação que Lang não estava tão feliz, eu queria vê-lo feliz, eu queria que ele sentisse bem por me ter ao seu lado, talvez fosse um pensamento egoísta mas era o que eu desejava.

Devalli Demons Capítulo 85 por Golden Moon


Capítulo 85

O “aceito” que Jasmim disse foi uma das coisas que eu mais esperei ouvir nos últimos tempos. Pude me levantar e finalmente tomar o desjejum, depois de todo mundo.Eu ainda era olhado de lado pelos empregados — todos já sabiam meu envolvimento na história — mas aos poucos acreditava que as coisas retornassem ao normal. Tomei um banho quente e depois me tranquei no quarto, a fim de passar o resto do sábado recluso. Entretanto, assim que sentei-me sobre a cama, escutei um barulho sobre a minha janela.

My Doctor My Love Capítulo 2 por Rima-san


Prologo

Kenishi Yasuda, nunca pensou que iria encontrar um dos seus primeiros pacientes, tinha sido num hospital publicoali na região que tinha conhecido um jovem de dezasseis anos com uma escoliose em faze avançava, com uma curvatura da coluna de 48 graus, nunca vira um jovem andar tão torto como aquele rapaz.
Não viu nenhuma opção viavél se não a cirurgia e colocou sua delicada decisão sobre a mesa, o jovem foi o primeiro a concordar mesmo antes dos seus pais, mesmo sabendo dos perigos de uma  cirurgia tão complexa.
Só lhe restava estudar bem o caso e logo que pôde marcar a cirurgia foi marcada.
Talvez o dua mais nervoso na carreira de Kenishi Yasuda, conseguia estar mais nervoso que no dia em que se casou.
Colocar 26 pafusos nas vertebras da coluna do rapaz, sem acertar na medula era um trabalho delicado e demorado e por fim colocaria dos hastes metalicas que sustentariam a coluna e o deixariam com a postura direita.
Todo esse procedimento levou mais de oito horas e apesar de exausto Kenishi Yasuda não podia estar mais feliz.
A cirurgia tinha sido um sucesso.
Acompanhou o  estado do seu paciente durante um ano e as melhoras eram incriveis até para ele, mas no final de um ano deu-lhe alta hospitalar e nunca mais o tornou a ver.


Devalli Demons Capítulo 84 por Golden Moon


Capítulo 84

Segurando aquela preciosa caixinha em minhas mãos, voltei para casa junto a Ivan sem ao menos saber como agradecer tamanha honra. Quando coloquei os pés na sala, minha mãe olhou com curiosidade para o presente, mas nada perguntou, enquanto eu passava ao quarto a fim de guardá-lo. Coloquei-o dentro do armário, em um local que achava ser bastante seguro. Antes de fechá-lo, dei uma última espiada no broche, o qual eu ficaria tentado a usar na primeira ocasião que tivesse oportunidade. Ele era belo e significativo demais para mim. Olhar aquela jóia me remetia aos olhares ferozes e vermelhos dos Devalli que, por mais amedrontadores que fossem, me protegem durante todo aquele tempo. Sabia que não poderia considerá-los heróis, afinal de contas  a loucura de Melissa não seria superada com facilidade — se é que seria — mas eles eram como uma família para mim.