26.7.15

Kind of Blues Episódio 2 Parte 11 por Mel Kiryu



Kind of Blues – Episódio 2

Parte 11

     O Mazda Cosmo branco de Togashi entrou na rua onde eu morava.
    Da janela do carro vi passar primeiro a casa de Satomi, notei que somente uma das janelas estava aberta e não vi nem Satomi ou o pai dele por perto.
    Eu estava nauseado pelo nervosismo, paramos e fronte ao portão da minha casa.

__Você deu detalhes do lugar onde ia passar a noite para seus pais? O nome desse suposto amigo?
__Não... Só mencionei que era um colega de escola.
__Entendi.__ Togashi refutou desafivelando o cinto de segurança.__ Pronto para ir?
__Não podíamos fugir e usar nomes falsos?
    Eu tinha um tom nervoso de brincadeira... Mas, quem sabe não colava?
__Nossa, que tentador...
    Togashi riu enfiando os dedos pelo cabelo em minha nuca, a mão dele subiu numa carícia e os lábios dele roçaram no meu cabelo antes de cochichar para mim:
__Se tivesse sugerido isso quando estávamos naquele motel, eu bem que podia considerar...
__Obrigado... Yuki.__ Minha voz saiu muito baixa.
__De novo dizendo obrigado?...
__É melhor do que dizer adeus.
    Minha boca estava seca, meus lábios apertados um no outro e Togashi encostou o rosto dele no meu, nós dois suspiramos.
   
                                                  ********
                                         No que coloquei meus pés na entrada, minha mãe apareceu como se tivesse ficado plantada na sala desde sempre, me esperando chegar.
__Hitaki! Onde você estava até agora? Tem noção das horas? Me dá o telefone da casa do seu amigo que eu vou ligar agora mesmo para lá!!
    Nem deu tempo de tirar meus tênis no genkan, Togashi apareceu por trás de mim e minha mãe descruzou seu braços furiosos fitando atônita o estranho atraente nas minhas costas.
__ Konnichiwa...__ Togashi fez uma pequena reverência após dar um passo a frente.__ Com sua licença e desculpe interromper... Sou Ayase Kahani e quis trazer pessoalmente seu filho para casa, parece que nosso filhos perderam a noção do tempo e jogaram video game até tarde da noite e Hitaki-kun ficou preocupado por chegar tarde em casa.
     Meu pai entrou no sala no meio da justificativa teatral improvisada de Togashi, eu mesmo o observava quase acreditando que eu tinha mesmo dormido tarde por jogar vídeo game! Usar um nome falso tinha sido golpe de mestre... Ou seria este seu nome verdadeiro?
__Viu, mulher?__ Meu pai tocou o ombro da minha mãe que tinha esquecido de recolher seu queixo caído.__ Eu disse que podia confiar em Hitaki... Aliás, Ayase-san... Agradeço por trazer Hitaki em segurança.
__Bom...__ Minha mãe retrucou fitando Togashi.__ Espero que Hitaki não tenha dado trabalho... Ele tem passado por uma fase meio difícil, sabe...
__Não mesmo.__ Togashi replicou suave também espalmando a mão no meu ombro, eu senti a carícia e a fixei em meu pensamento, eu não queria esquecer daquele toque.__ Eu ficaria feliz em ter alguém como Hitaki na minha vida.
     Olhei para o chão, minha vista tornou-se turva por tras do óculos. Era a nossa despedida e eu não podia dizer nada, tão pouco tocá-lo, nem em sonho beijá-lo.
       Era simplesmente adeus.
__Não gostaria de ficar um pouco mais?__ Meu pai sempre foi um anfitrião exemplar.__ Minha esposa fez harumaki... Adoraria que saboreasse alguns conosco.
__Não, realmente não posso... Mas, agradeço a gentileza.__ A mão dele abandonou meu ombro e eu me senti frio por dentro.__ Deixei meu carro de fronte a garagem de um de seus vizinhos e preciso mesmo ir.
__Uma pena, não é querida?__ Meu pai sorriu para minha mãe e mirou-se novamente em Togashi.__ Eu o acompanho até o portão, já que precisa mesmo ir.
__É muito gentil, Kiriya-san.
    E no que Togashi agradeceu com inigualável educação, esbarrou aparentemente em mim quando dava meia volta em direção a porta, sua mão segurou de leve em mim.
       Essa foi a última vez que nossos olhares se encontraram antes de Togashi partir.
__Obrigado por fazer companhia ao meu filho, Hitaki-kun... Ele nunca vai esquecer.
__Nem eu vou...
     A mim apenas restou acompanhá-lo com o olhar até a porta onde ele se despediu de minha mãe e sumiu juntamente com meu pai que fazia um comentário amistoso.
__Hitaki... Você já conhecia o pai desse seu amigo? Ele parece tão jovem para ser pai...__Minha mãe perguntou curiosa, logo que a porta se fechou.
__A senhora acha? Ele deve ter uns trinta e cinco anos...__ Respondi evasivo, tirando meus tênis no genkan.
__Esse Ayase é muito bem apessoado, qualquer dia desses podia trazer o filho dele aqui... Não acha?
    Segui descalço para a sala, não respondi minha mãe. Não era fácil fazer um esforço sobre-humano para parecer bem dentro do esperado por ela.  
__Não está com fome, filho?
    Até estava antes de chegar, mas agora tinha um bolo de tristeza no lugar antes vazio do meu estômago.
__Não, mãe... Vou tomar um banho.    
    Eu ia saindo da sala quando meu pai voltou e comentou entusiasmado com minha mãe sobre o carro de edição limitada que Togashi dirigia, meu pai colecionava miniaturas de carros, era um apaixonado por carros antigos.
    Deixei aqueles dois conversando na sala, sabendo que eu estava a salvo de qualquer bronca e suspeita graças ao Togashi.
    Peguei uma muda de roupa limpa, minha toalha e me refugiei no banheiro.
    Ali sozinho, não tinha mais porque fazer de conta que tudo estava bem...
    Eu não estava pensando em nada, apenas me sentia vazio.
    E eu não compreendia o peso esmagador que existia dentro do vazio.
    Agi de modo mecânico ao tirar minha roupa no silêncio acústico do banheiro e quando terminei de tirar uma das peças de roupa que eu vestia, vi que tinha um cartão no chão entre duas peças sujas.
    Agachei praticamente nu, segurando a camisa suja de estrada contra minha pele e recolhi o cartão.
    Lembrei do momento em que Togashi esbarrara em mim antes de ir-se... Não tinha sido acidental.
      Meus joelhos se curvaram ao chão, mas não consegui ler o cartão naquele instante, apenas percebia vagamente os kanjis grifados em azul no papel cartonado.
      Por diversas razões e dissabores as lágrimas turvavam minha visão.
     
   [Fim do episódio 2]

10 comentários:

  1. Olá Mel
    Mas porquê? Eu agora queria saber o que dizia aquele papel rrsrsrsrsr Vou ter de ficar nessa duvida até ao próximo capitulo -.-"
    Ah mas todos se encantam pelo Togashi..... até os pais do Hitaki *-*

    ResponderExcluir
  2. Oi, Rima!
    Vou postar Kind of Blues com mais frequência, já que estou adiantada com os capítulos.
    Pois é sim! Até os pais gostaram do Togashi e de certa forma isso ainda será favorável para as mentiras do Hitaki.

    ResponderExcluir
  3. Eba! Mas que fixe!
    Pode crer que foi bem favorável e ele aparentou ser de uma classe social alta coisa que os pais dele também gostaram
    Nossa.... eu vou fazer um plano para capturar o Togashi, isso sim parece homem decente T^T

    Verdade amanhã ainda tou de férias! Palminhas para a Rima :3
    Parte ruim....recibi aviso que meu plafom mensal de internet chegou aos noventa por cento, ou seja só tenho dez por cento até ao final do mês se a Rima desaparecer uns dias é porque ficou sem net -.-"

    ResponderExcluir
  4. O carro do Togashi sem dúvida que impressionou o pai do Hitaki... Já a mãe do Hitaki gostou da aparência e educação do Togashi.
    E o Hitaki... Bem, ele pelo visto gostou de tudo à cerca do Togashi Yuki...

    Opa! Que bom, hein? (*batendo palminhas aqui*)
    Tudo bem, valeu por avisar...

    Eu li seu capítulo... Na verdade acho melhor eu reler o anterior a este porque fiquei um bocadinho perdida... Mas, Hisashi ainda está tão abatido, tadinho...

    ResponderExcluir
  5. Claro o Hitaki gostou de tudo :3 E evidente que o que conta mais é o jeito da pessoa ser.... e ele sabe usar muito bem a sua sensualidade

    Ah eu vou fazer poupançazinha até ao final do mês e vai ver que a net ainda chega....

    Eu mesma tive que reler o capitulo anterior
    Sem duvida ele está abatido e fragilizado, ele parece um bichinho do monte que encontrou abrigo e o aconchego que nunca teve

    ResponderExcluir
  6. Nesse caso a sensualidade foi o ponto mais marcante junto com o forte instinto protetor do Togashi.
    A questão é que o Togashi preenche os espaços vazios na relação que o HItaki tem com o Satomi.

    Verdade, né? Sexta-feira termina o mês.

    Foi a exata impressão que eu tive do Hisashi.

    ResponderExcluir
  7. Verdade mesmo.... apenas ficou o "K" de ele parecer muito novo para ter um filho da idade do Hitaki
    É uma pena ele ser só aquele que preenche os espaços vazios do Satomi... e ainda vai ter esse problema.... resolver a situação com o Satomi, porque ele ficou bravo...

    É mesmo e uma semana passa a voar.... mas já que estamos falando em final de mes e fim de semana.... sabado tenho um casamento de manhã vou trabalhar e de tarde vou ao casamento, ele é só as cinco da tarde então dá tempo.... mas pronto sabado tou offline

    É....ele vai ter que se tornar forte e é se quer conquistar algumas coisas mas para isso ele precisa de alguém para o apoiar, melhor que o Nobuhiko impossivel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mel eu vou ter de sair....
      Beijinhos e até amanhã :)

      Excluir
    2. Demorei a responder, né? Desculpe, Rima...
      Muitos beijos e até amanhã, minha amiga!

      Excluir
  8. Ficou sim a dúvida no ar... Mas, isso não vai dificultar nada a princípio.
    Por enquanto sim, já que a bem dizer o Togashi é um estranho enigmático e o Satomi é o amado amigo de infância do Hitaki. Por isso o Togashi só preenche os espaços por enquanto.

    Isso é ótimo para o Hisashi! Quero vê-lo de cabeça erguida. ^^"

    ResponderExcluir

Oi! (◍•ᴗ•◍)
Veio comentar?
Cada autor desse blog recebe um imenso incentivo a cada comentário.
(Comentários anônimos também são bem vindos ^^")
Agradecemos sua opinião! ٩(๑•◡•๑)۶
Mas, se for apenas comentar sobre erros de gramática, isso é dispensável.

Siga-nos no Facebook

o
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...