31.7.15

Kind of Blues Episódio 3 Parte 2 por Mel Kiryu


Kind of Blues – Episódio 3

Parte 2

__Sabe por que pinto minhas unhas de preto?
    Satomi me questionou sério em demasia, sua voz soou profunda e respondeu sua própria sentença em seguida.
__Faço isso desde a morte da minha mãe... É a expressão do meu lamento.
    Eu larguei os cadernos sobre a cama e me ajoelhei perto dele, sem perder o olhar dele do meu.
__Então... O seu lamento é meu também.__ Eu disse estendendo minha mão devagar para ele.
    Satomi não segurou minha mão, só encaixou as pontas dos dedos dele debaixo dos meus a me olhar melancólico.

__Pra que você faz esse tipo de coisa só para se aproximar de mim? Se sabe que vai se ferrar depois, Hitaki...
__Vai saber...__ Eu dei os ombros um tanto vagamente.__ Alguns diriam que é idiotice, mas... Acho que depois de tudo... Somente quero provar que te amo.
__Não foi o que pareceu quando escolheu ficar no carro com o Togashi.
    O olhar dele escapou do meu, tinha uma raiva velada na voz dele. Os dedos que antes apoiavam os meus no ar foram recolhidos.
__E o que você entende de perder alguém?__ Satomi abraçou os próprios joelhos dobrados juntos ao seu corpo.__ Não diga que meu lamento é seu! Minha mãe era a única pessoa que me entendia... E eu não dei valor a ela enquanto estava viva.
__Tem razão... Talvez, eu não entenda a dor de perder alguém por completo... Mas, entendo como é perder alguém para a distância e o tempo e como é dolorido não saber ao certo o que fazer para reconquistar o que se perdeu.
__Você devia ser como os outros...__ Satomi refilou, sua voz baixa e tristonha.__ Devia desistir de mim.
__Eu te conheço, Satomi... A derrota seria minha se eu desistisse.    
    Satomi virou seu corpo na direção do meu, apoiou as mãos nos próprios joelhos e se inclinou a encaixar seus lábios nos meus.

    Depois de me provocar com um pequeno beijo em que senti apenas a pontinha de sua língua acariciar meus lábios, Satomi me lançou um olhar intenso e desafiador.
__Já pensou que a sua derrota pode ser não desistir, Hitaki?
       Não podia ser, eu não acreditava nisso em definitivo.
      Segurei as laterais bem desenhadas da face de Satomi, passiei com meu olhar naquele rosto, seus olhos demarcados de lápis escuro, seus lábios levemente carnudos um pouco pálidos... Não importava quantos problemas mais estar com Satomi poderia me causar, eu amava tudo naquele rosto e todos os sentimentos confusos que existiam por tras dele.
    Quase não resisti ao impulso de beijá-lo, de me perder pra valer naquela boca.

    Contudo, lembrei que a porta estava destrancada e o pai de Satomi estava em casa.
__Vai pintar minhas unhas ou não?__ Perguntei também caprichando no tom de desafio na voz, mas acho que nem de longe a minha voz o provocava do jeito que a voz dele fazia comigo.
__Promete que vem me ver durante esses três dias que vou ficar de castigo no meu quarto?__ Satomi sussurrou num raro momento de fragilidade evidente.
__Ah... Está admitindo que sente minha falta?
    Claro que ele não admitiu, me empurrou irritado pelo ombro e agarrou num gesto invocado o vidro de esmalte de cor preta.
     Eu ri, as coisas entre nós parecia estar voltando ao normal... Se é que eu podia dizer que havia algo de normal na nossa relação.
    Ele se ajeitou e dobrou um dos joelhos de frente para o corpo.
__Apoie a mão no meu joelho... E trate de deixar firme.
     Não liguei para o tom de ordem e obedeci.

    Olhei bem curioso, era outra primeira vez da minha vida e essa eu nunca tinha imaginado!
      Hitaki Kiriya tendo as unhas pintadas de esmalte preto por seu antigo amigo de infância.
    E Satomi era bom naquilo, tinha a mão firme na hora de aplicar o esmalte. Minha mão que volta e meia estremecia no ritmo inconstante do pulsar do meu coração.
    Raramente ele borrava nas beiras e nas poucas vezes que aconteceu ele tinha pronto um palitinho pontudo com uma fina camada de algodão enrolada na ponta umedecido com acetona... Ia na borra em negro e limpava preciso o excesso de esmalte.
__Você é mesmo bom nisso...
__A primeira vez que pintei as unhas de alguém...__ Satomi retrucou tirando o excesso po pincel do esmalte na borda do pequeno frasco.__ Foi quando eu tinha quatorze... Minha mãe caiu doente e perguntei se ela não se sentiria mais bonita se eu pintasse suas unhas.
       Eu o observava completamente cativo, a voz de Satomi soou tão calma por um momento que era difícil acreditar no rompante de raiva irracional que tinha tido contra o inspetor no portão da escola.
__Claro que ficou horroroso quando pintei a primeira vez...__E ele segurou minha mão por baixo para pintar a unha do dedo mínimo.__ Mas, minha mãe ficou contente mesmo assim... Coisas bobas a deixavam feliz.
      Satomi pegou a mão que estava pronta de colocou sobre a beira da cama, parecia estar concentrado, ou muito pensativo.
__Dê-me sua outra mão...
    Trocou de joelho e apoiou minha outra mão sobre ele, não dissemos nada enquanto Satomi começou a pintar a unha do dedão, fazendo-o muito suavemente.
    Percebi que para mim era prazeroso olhá-lo dentro do silêncio, falando de tempos em que estávamos separados e vivendo pedaços que um ignorava sobre o outro.

    A falecida mãe de Satomi já sabia a muito o que somente descobria naquele instante.
    As pequenas coisas traziam as alegrias que mais pareciam perdurar.
__Meu pai vive dizendo que quando olha para mim, é quase como se minha mãe estivesse aqui.__ Satomi comentou de repente, o que soou por demais desolado.__ Quando olho no espelho... Vejo muito dela em mim... Esse é o pior castigo que eu poderia ter.
     Naquele instante percebi que o que atormentava Satomi não era somente uma ou duas coisas mal resolvidas, era o acúmulo de muitas dores. Era o somatório da culpa, da ausência, da incerteza, da falta de resposta do que ele não conseguia entender.
    Por isso tinha atitudes tão destrutivas, devia ser seu jeito de punir a si mesmo.
    Mas, enquanto ele terminava de pintar minhas unhas de preto eu pensava: 'Você não percebe, Satomi? Todo esse autoflagelo é um círculo vicioso que somente gera mais dor...'

4 comentários:

  1. Mesmo que seja difícil... Acho que Hitaki poderia tentar ajudar Satomi a lidar com essas dores... Ele necessita de muito apoio, só tem que admitir isso...=/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, é o que o Hitaki deseja... Mas, bem... O Satomi é aquele caso clássico, ele precisa querer ser ajudado! Ter uma genuína vontade de mudar o que é ruim...

      Excluir
    2. Alguém tem que abrir os olhos dele e acho que Hitaki é o único que pode conseguir isso. Só tem que tomar cuidado com as confusões, Hitaki precisa ser um pouco mais pé no chão...
      Serio, agora fiquei muito apiedada do Satomi, deu vontade de abraçar e dar colo *_*

      Excluir
    3. O Hitaki vai ter que mudar a tática com o tempo... Vai ter que dar um sacode dos bons no Satomi!
      Para você ver que não é rebeldia sem causa... Tudo no Satomi tem uma razão e um motivo, pena que sempre pende para o destrutivo.

      Excluir

Oi! (◍•ᴗ•◍)
Veio comentar?
Cada autor desse blog recebe um imenso incentivo a cada comentário.
(Comentários anônimos também são bem vindos ^^")
Agradecemos sua opinião! ٩(๑•◡•๑)۶
Mas, se for apenas comentar sobre erros de gramática, isso é dispensável.

Siga-nos no Facebook

o
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...