27.2.16

Tulipa Vermelha Capitulo 7 por Rima-san


Capitulo 7
A traição

           A meio da noite Mamoru se levantou, Kaouru deu conta e se mexeu, ainda entre abriu os olhos, mas logo sua boca foi coberta por um beijo, um doce beijo de despedida que o fez tornar a cair no sono, quando despertou pela manhã já era segunda- feira e sua vontade de ir para a faculdade era reduzida, por algum motivo todo o seu coração temia por algo, ignorou esse sentimento e vestiu-se penteou o cabelo amarrando-o com o elástico e saiu para a faculdade.
Estava quente, era mais um dia de verão, Kaoru tinha optado por desaproveitar as suas férias, dando aulas de apoio para os alunos mais necessitados e sabia que Yato se tinha oferecido a dar aulas de apoio por sua causa.

           Tentou evitar encontra-lo por isso tentava passar o mínimo tempo possível na sala dos professores optando por ficar no bufete ou em alguma sala durante os intervalos, costuma almoçar na cantina, não tinha razão de queixa da comida ao contrario da maioria dos alunos mas naquele dia preferiu ir a um restaurante das redondezas e até gostou do ambiente pacato, tinha umas três chamadas de Yato, mas se negava, agora tinha Mamoru, era o momento indicado para deixar aquele homem casado de uma vez.
          Mas ao final da tarde não teve com evitar, passou pela biblioteca para procurar uns livros e entre as prateleiras de milhares deles assustou assim que um corpo se encostou a ele.
_Deixas-me louco…_ Yato lhe sussurrou ao ouvido passando os dedos pelo seu pescoço._ Andas-te fugindo esse tempo todo de mim.
_ Yato… ainda nos apanham aqui._ Virou de frente para ele, tentando transparecer um olhar irritadiço, mas todo o seu corpo estava tremendo fissurado naquele homem.
_Tens medo?_ Puxou-o pelo pulso fazendo Kauro bater contra seu peito.
_Yato-sensei, vou sair tudo bem fechar a biblioteca.
_Podes ir Shiro-san… eu ainda vou ficar por um tempo._ Falou alto e a aluna responsável pela biblioteca fechou a porta e saiu, não havia um único são a não o das suas respirações. Para Kaoru tudo estava desabando, não tinha mais como fugir._ Então… apanhei-te.
_Eu não andava fugindo de ti… só ando ocupado._ Desviou o rosto para seus lábios não tocarem os dele.
_Com quem? Me diz…_ Empurrou-o contra a estante e os livros caíram.
_Ninguém que conheças… por isso acho melhor paráramos… afinal também é um homem casado, eu sou apenas o teu amante, podes arranjar outro em qualquer lado._ Abaixou-se para apanhar os livros mas Yato o impediu, seus olhos castanhos procuravam a verdade no rosto melindrado de Kaoru.
_Não posso eu te amo…_ Sua voz suou baixa mas convicta e segurando no rosto do professor de filosofia beijou-o até seus corpos caíram no chão.
_Yato estamos na biblioteca._ Advertiu sentindo a ereção de Yato e tentou se levantar._ Não dá!_ Mas de novo foi puxando pelos seus cabelos que acabaram por se soltar.
_Quem quer que seja essa pessoa não vai se importar que eu brinque contigo mais uma vez._ Desabotoou-lhe a camisa e começou a acariciar-lhe os mamilos.
_Yato… não._ Negava-se mesmo quando todo o seu corpo dizia o contrario e Yato lhe sorria arteiro, engolindo todo o seu membro, acabou por fechar os olhos esperando que aquilo acabasse.
         Contudo todo o seu corpo era preenchido de caricias, por aquelas mãos ossudas que conheciam cada contorno da sua pele e enfim estava submisso  a Yato, tal como ele adorava, de quatro para ele arfando a cada estocada e somente ficou aliviado quando chegou ao seu ápice.
Seu corpo repousou no chão frio durante um tempo, tempo suficiente para Yato vestir seu terno e arrumar os livros na prateleira.
_Não vais ficar ai deitado o tempo todo, vamos lá._ Yato o puxou e então Kaoru acordou do seu transe, ajeitou suas roupas no devido lugar e saiu acompanhado por Yato, sentia todo o seu corpo sujo, o sexo que tinha feito ainda se afirmava em cada poro do seu corpo e isso o repugnava o enchia de culpa por não ter sido suficientemente capaz de ter  negado Yato, no fundo era apenas um fracassado por isso que merecia acabar sozinho.
          A noite já caia quando saíram da universidade e assim que colou os pés fora dos portões que ladeavam a universidade, petrificou ao deparar-se com Mamoru encostado ao muro com o capuz deitado pela cabeça o esperando.
_Mamoru…_Quase recuou ao para trás quando aqueles olhos cinza foram ao seu encontro.
_Estava á tua espera._ Sorriu-lhe e desencostou-se do muro caminhando na sua direção.
_Quem é esse miúdo?_ Yato perguntou seco não gostando da apresentação do rapaz de preto.
_Um conhecido…_ Justificou-se o mais depressa possível._ Vemo-nos amanhã Yato._ Sua voz saiu tremula e correu na direção de Mamoru, Yato tinha ficado parado olhando na direção dos dois que se distanciavam e Kaoru por uma ultimava vez olhou para trás e ainda o viu então apercebeu-se que os seus olhos estavam rasos de água e não tinha como disfarçar, Mamoru tinha percebido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oi! (◍•ᴗ•◍)
Veio comentar?
Cada autor desse blog recebe um imenso incentivo a cada comentário.
(Comentários anônimos também são bem vindos ^^")
Agradecemos sua opinião! ٩(๑•◡•๑)۶
Mas, se for apenas comentar sobre erros de gramática, isso é dispensável.

Siga-nos no Facebook

o
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...