26.3.16

Kind of Blues – Episódio 7 Parte 2 por Mel Kiryu


Kind of Blues – Episódio 7 O fio vermelho do destino desamarra sem querer
Parte 2 (por Hitaki Kiriya)

   Início de junho

      Eu estava a um dia de viajar para iniciar o curso de verão em Sunakawa.
    Tive que sair para comprar algumas coisas para a viagem, para o mês inteiro que ficaria longe de casa.
    E eu juro, foi de relance o que eu vi, mas estragou com meu dia.
    Voltando de ônibus para casa, em uma das paradas, vi pela janela semiaberta Satomi e Takane no lance de escadas que levava a Biblioteca Municipal.
    Claro que não fui percebido, visto que um olhava para o outro e estavam distraídos com teor da conversa. Antes do ônibus voltar a se mover e seguir, vi que Takane segurou a mão de Satomi e lhe lançou um sorriso.

    Não durou muito o instante em que vi os dois.
    Pouco depois o ônibus onde eu estava voltou para sua rota, não pude ver se Satomi sorriu de volta, se aceitou de bom grado a mão que tomava a sua.
    Isso me fez perder toda concentração, minha determinação.
    Cheguei a pensar em desistir do curso de verão.
     Não estive com Satomi naquele dia em que o vi com Takane, a minha esperança era o dia seguinte e foi uma lenta e corrosiva angústia o passar das horas até a manhã do dia seguinte.
                                                                   
                                                                 *********
        Tínhamos combinado de que Satomi viria se despedir de mim antes de embarcar no trem.
        Eu nunca esperei tanto por uma pessoa, nunca com tanta expectativa.
        Não me importava se meus pais estavam ali na mesma estação, eu pensava:
    "Que se dane! Se Satomi vier juro que o beijo na boca, juro que digo que o amo! Não posso ficar um mês inteiro longe dele sem dizer o que eu sinto. Quero poder voltar e saber que ele está esperando por mim."

      Contudo, Satomi não apareceu até o momento que embarquei.
      Antes de ocupar meu lugar no trem, olhei para fora com lágrimas nos olhos e foi indescritível o que senti quando o trem lentamente se pôs em movimento e no que sentir a mão do funcionário que recolhe os tickets pesar em meu ombro, vislumbrei Satomi se deslocando entre as pessoas que observavam o trem partir.
     Ele se movia rápido, acompanhava o trem com o olhar provavelmente a me procurar e pouco antes do trem tomar mais velocidade e se distanciar em definitivo é que nosso olhares se encontraram, toquei o vidro como se pudesse transpô-lo, atravessá-lo como energia luminosa, quando trocamos olhares pela última vez meus lábios cochicharam "te amo".
__Disse alguma coisa, jovem?... Precisa ocupar seu lugar, é perigoso ficar aqui com o trem em movimento.
    Eu não podia mais ver Satomi, apenas escutava atrás de mim a voz do funcionário do trem.

                                                         ********
               Passei o restante do primeiro dia em um albergue em Sunakawa.
            Na manhã seguinte iria me apresentar ao campus da faculdade onde estava sendo oferecido o curso aos alunos do secundário.
      O quarto do albergue não era ruim, fiquei num dormitório onde havia oito quartos individuais e  um pequeno banheiro contíguo.
    Na estadia estava incluído as refeições, lavanderia e até internet.
    Eu devia estar excitado com tudo isso, animado com essa nova experiência... Não é?
    Por um lado era bom dar um tempo da companhia de meus pais, o jeito como controlavam minha vida me deixava louco! Na real, somente concordaram com o curso em virtude do impacto que teria na minha educação e formação acadêmica.
    No entanto, parte de mim tinha ficado naquela estação com Satomi.
    Minha melhor parte.
    Comigo tinha ficado somente a dúvida, a prévia da saudade que ia se acumular por um mês inteiro.
    Torturante.
    Tão logo anoiteceu, coloquei meu celular para carregar e liguei para ele estendido de barriga no futon em meu quarto do albergue.
     Ouvi a voz dele dois toques depois.
__Satomi desu.
__Sou eu... Queria ter podido me despedir de você, Satomi.
__Foi mal... Perdi a hora, deve estar com muita raiva de mim agora.__ Satomi murmurou num tom suave que abortava um pouco do vazio em mim.
__Quer saber? Hoje fiquei foi frustrado, ontem é que senti raiva... Quando passava de ônibus e te vi com Takane nos degraus da biblioteca no centro.
__Hum... Você nos viu? Pode crer que não rolou nada do que você pensou... Se eu perdi a hora, Takane tem sua parcela de culpa.
    Engoli à seco, pensei no pior.
__O que quer dizer?
__Quer mesmo falar disso, merda?__ Ele revidou ríspido.
__Quero saber... Fala para mim.__ E pedi respirando fundo.
__Takane pediu para a gente conversar... Queria voltar a ficar comigo e eu disse que não rolava, então ele disse que ia dar o fora da cidade se perguntou se podíamos tomar uns tragos juntos pela última vez.__ A voz de Satomi soava insensível.
__E depois?
__Era só para ele ganhar tempo, no bar onde paramos para beber Takane tentou me convencer a deixar a cidade junto com ele... E foi uma merda! Acabamos brigando dentro do bar, saímos no braço e aí ele me cortou com um estilete.
__E você diz isso como se não fosse nada?! Satomi!
     Sentei-me abrupto sobre o futon, mirando-me vago na única janela do meu quarto.
__Fica frio, Hitaki...__ A ironia de Satomi vazava aos poucos.__ O cretino do Takane fugiu assim que chamaram a polícia e eu fui parar na emergência, tiveram que suturar e fiquei um tempo em observação. Voltei para casa tarde da noite e ainda tive que ouvir esporro do meu pai... A emergência ligou para ele avisando do ocorrido.  
__Satomi... Devia ter ligado para mim! Eu teria ido até a emergência ficar contigo.
__Só que não, né Hitaki? Sei bem que você teria desistido do curso de verão se soubesse do que tinha acontecido... Já te meti em encrencas demais.
__Uma encrenca a mais não teria feito diferença.
     Eu deixei escapar uma afeição excessiva na voz, nem a metade do que ficava contido em mim.
    Um pequeno silêncio amoroso recaiu entre nós dois.
__Quer saber como está a noite aqui, Hitaki?
__Quero muito...__ Sussurrei encostado na parede do quarto.
__Não tem luar... Somente estrelas.
    E vislumbrando pela única janela do meu quarto eu encarava apenas um céu denso, escuro e nebuloso. Foi fitando esse céu noturno que depois de mais algumas palavras encerramos a ligação.
     Apesar da nossa conversa, do ciúme digno de nota na minha voz, não nos despedimos como namorados.
    E nem podia ser desse jeito, a linha tênue entre a amizade e o amor tinha se perdido para nós dois, não era mais tênue.
     Algo tinha mudado, como eu queria que Satomi tivesse me ligado da emergência e como ele estava certo em afirmar que eu desistiria do curso de verão por ele.
     Meu coração confuso inqueriu se de algum modo ele me quisesse distante de sua vida, se Satomi queria me mostrar que preferia que cada um seguisse um caminho distinto.
    Vagava em mim a sensação que aos poucos Satomi tentava se desligar de mim.
      Naquela noite desejei sonhar com as estrelas que Satomi via de sua casa, até o firmamento dele me remetia a imensuráveis ausências...


4 comentários:


  1. Quanta fofura na cena do trem! Imaginei tão intensamente a expressão de Hitaki... O toque no vidro. Y.Y
    Acho que Hitaki está um pouquinho equivocado... Não acredito que Satomi tenta se afastar, muito pelo contrario,tenta um recomeço. Mas não dá para saber apenas pela ações dele... Vamos obter a voz de Satomi, Mel? Rsrsrs (olha eu querendo spoiler kkkkk)

    Abraço! Capitulo lindo ^_~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou te falar, tenho imenso fetiche por trens.
      Imaginei essa cena com muito afinco... Muito mesmo.
      Shiiiiiii... Voz do Satomi? Olha, pelo contrário.
      Por motivos alheios a vontade do Hitaki, ele deve ficar um tempo sem ouvir a voz do Satomi...

      Obrigada *Mel reverencia Golden por sua gentileza*

      Excluir
  2. Satomi tá tentando mudar, fazer as coisas diferente e Hitaki acha que ele quer só ser amigo hsjhshjh ah, os desencontros da vida.......
    ah, esse casal acaba comigo ♡
    stá perfeito como sempre, mel ♡♡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem razão, Torie.
      Esse episódio 7 tem muitos desencontros e equívocos, mas também tem reencontros. ^^"
      Muito obrigada por ler e comentar, viu?

      Excluir

Oi! (◍•ᴗ•◍)
Veio comentar?
Cada autor desse blog recebe um imenso incentivo a cada comentário.
(Comentários anônimos também são bem vindos ^^")
Agradecemos sua opinião! ٩(๑•◡•๑)۶
Mas, se for apenas comentar sobre erros de gramática, isso é dispensável.

Siga-nos no Facebook

o
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...