7.3.16

Tulipa vermelha Capitulo 8 por Rima-san


Capitulo 8
A absolvição dos pecados

Mamoru tinha notado a inquietação de Kaoru ao despedir-se daquele estranho, devia ser algum colega seu, mas logo se percebeu que não era apenas inquietação quando verificou que lagrimas brotavam daqueles olhos amendoados, puxou pelo seu braço e pararam no meio do arvoredo de um parque que havia próximo ao apartamento que Kaoru morava.

_Pensei que ficarias feliz em ver-me._ Mamoru tirou-lhe os óculos da face e limpou-lhe as lágrimas do rosto.
_E fiquei, apenas não contava com a surpresa._ Encarava os seus pés afim de controlar seu impulso de chorar.
_Então porque chorar? Foi aquele homem que fez alguma coisa?_ Segurou-o pelos ombros, mas Kaoru optou por continuar sem o encarar e o silencio irritava Mamoru._ Foi ele não foi?_ Abanou-o com força, Kaoru estremeceu, seus olhos arregalaram ao ver aquelas presas e foi como se as fontes secassem._ Foi ele?_ Tornou a insistir e Kaoru soluçou.
_A culpa foi minha… toda minha…_ Seu lábio inferior tremulava levou as mãos olhos escondendo-se seu rosto miserável._ Tentei fugir todo dia e ainda assim eu deixei que ele me tocasse!
_Que ele fez contigo? Me diz de uma vez por todas!
_Nós…_ Engoliu a seco e encarou Mamoru ciente que ele se iria embora depois de admitir a sua traição._ Nós dois fizemos sexo antes de sair da universidade._ Não conteve e desatou chorar seu corpo caiu no chão  e de joelhos soluçava, quando se acalmou olhou para cima e Mamoru ainda lá estava de braços cruzados._ Não foste embora porquê?
_ Todas as outras vezes fazias de tudo para eu ficar, dessa vez querias que eu fosse embora?_ Se agachou junto a ele puxando-o pelo queixo._ Era essa a tua intenção ao me dizer que transaste com outro tipo?
_Não!_ Seus olhos se encheram de agua._ Eu não queria fazer aquilo!
_Ele te obrigou?_ Mamoru se tornou mais calmo a ponto de lhe acariciar os cabelos.
_Mais ou menos._ Fungou tentando-se acalmar._ Eu não fui suficientemente forte para lhe negar, não o consegui empurrar para longe… me sinto péssimo! Eu evitei Yato durante o dia todo! Porquê? Eu te trai!
_Não trais-te não lembro de estar num relacionamento contigo._ Kaoru ficou sem reação, Mamoru conseguia ser bem frio._  Humanos são mesmo assim, fracos.
_Nem todos…_ Suspirou._ Yato sempre tem o que quer, eu nunca me consegui livrar dele.
_Ele te obrigou nem vem com essa de ser fraco ele te obrigou!_ Mamoru se alterou bateu contra a arvore com força.
_Não posso dizer que obrigou porque não usou força física, no fundo mesmo negando… eu deixei._ Segurou a mão de Mamoru e retirou-lhe os seus óculos colocando-os em sua face._ Eu meto nojo eu sei… sempre me deixo usar desse jeito._ Ergueu-se e segurou-se na arvore._ Entendo se não quiseres estar comigo…sempre posso continuar minha vida desse jeito._ calcou uma folha seca sentindo-se desprezível, todo o seu esforço para conquistar alguém tinha sido em vão.
_Não é isso que queres pois não?_ De novo o agarrou pelo ombro e num impulso Kaoru levou a mão a cabeça gemendo de dor._ Não te estas a sentir bem pois não?
_Não é nada.. só uma dor de cabeça._ Mas sua cabeça continuava a latejar por algum motivo e não era só dos nervos.
_ Eu te levo até casa._ Segurou nele pela cintura e ambos caminharam até subir ao apartamento de Kaoru.
_Devias estar bravo em vez de me estar a ajudar._ Suspirou abrindo a porta.
_Realmente estou bravo.._ Sorriu de escarnio e ajudou Kaoru a sentar-se no sofá._ Enquanto descansas vou pensar em quem decapito… tu ou o teu amigo.
_Eu não vou descansar… não fala em decapitação, me arrepio! _ Se ergueu mas o chão ainda parecia tremular.
_Oi senta ai! Ao menos faz alguma coisa que eu te digo!
_Tenho que tomar banho…_ Mamoru caminhou atrás dele._ Essa sensação me enoja.
_O quê? Tomar banho não vai ajudar a melhor a tua cabeça._ Riu e Kaoru gesticulou negativamente com a cabeça.
_Não é isso…. Minha pele ainda esta cheia dele… não quero isso._ Caminhou mais apressado e acabou batendo contra a porta do banheiro.
_Eu te ajudo, aqueço a água._ Mamoru aqueceu-lhe a água da banheira enquanto ele se despia._ Realmente tens o cheiro de outra pessoa no corpo._ Constatou ao passar as mãos naquele corpo franzino suas narinas roçaram o pescoço dele e o enfiou dentro da banheira.
_Ainda assim estás aqui…_ Mamoru se sentou na beira da banheira e seu semblante se tornou mais serio.
_Nem eu entendo o porque… me diz que não queres mais nada com esse Yato, que nunca mais vais deixar ele te tocar._ Pediu deixando os seus dedos entrarem na água quente.
_Se eu disser isso muda alguma coisa?
_Muda…. Vou contigo a esse hanabi que querias ir… neste ano, no próximo e todos os outros, como vampiro poderei ficar contigo ate á velhice todos os dias…_ Kaoru apanhou aquela mão e beijou-lhe a palma.
_Eu quero isso.. foste a primeira pessoa que eu me esforcei em ter ao meu lado, seres um vampiro não me assusta, és mais humano duque parece._ Seus sorriso afetuoso era discreto, suas pálpebras pesavam e ainda assim queria ficar dentro daquela água quente comtemplado aquele vampiro, talvez assim seu coração se acalmasse.

2 comentários:

  1. boa tarde Rima eu adorei o capitulo que vc postou, estou ansiosa pro proximo. A historia esta lindissimaaaaaaaa.

    ResponderExcluir
  2. Oi Dineia muito obrigada, é um incentivo para eu continuar a escrever ^^"

    ResponderExcluir

Oi! (◍•ᴗ•◍)
Veio comentar?
Cada autor desse blog recebe um imenso incentivo a cada comentário.
(Comentários anônimos também são bem vindos ^^")
Agradecemos sua opinião! ٩(๑•◡•๑)۶
Mas, se for apenas comentar sobre erros de gramática, isso é dispensável.

Siga-nos no Facebook

o
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...