11.5.16

Tulipa Vermelha Capitulo 18 por Rima-san


Capitulo 18
Memórias de uma maldição 
Parte 2

        Não tinha mais família, tinha se mentalizado, tudo o que restava era somente ele, uma carcaça em forma humana que vagueava sem saber o que fazer ao destino, seu irmão tinha morrido logo um dia depois de lhe ter dado tantas esperanças, nada mais fazia sentido para Mamoru.
Os anos passavam e a casa dia se tornava um jovem mais belo, ia a caminho dos seus vinte anos e mesmo assim ainda vivia no orfano, o numero de crianças na instituição tinha diminuído e sem saber o que fazer da sua insignificante vida aceitou a proposta de ficar lá a viver o tempo que quisesse em troca de ajudar em todas as tarefas do orfanato.

          Na parte de trás da instituição tinha uma parte de terreno destinada a cultivo de legumes que poderiam ser usados para fazer a comida para as crianças, Mamoru perdia muito do seu tempo cuidando daquela hortinha que ia sempre crescendo.
E um dia por sua vez bastante nublado arrancava ervinhas dos repolhos que só de olhar para eles imaginava-os numa bela sopa quando foi surpreendido.
_Vejo que as crianças gostam muito de ti._ Mamoru se ergueu e fitou o desconhecido na sua frente deixando cair o molho das ervas daninhas que tinha arrancado._ Vejo como cresceste.
_Desculpe mas não o conheço._ Disse frio limpando a mão ao rosto e deixando-o sujo de terra._ E um desconhecido não devia andar em propriedade privada.
_Mas eu não sou desconhecido._ Afirmou e seus cabelos prateados dançaram com o vento, sua longa capa negra parecia querer fugir do seu corpo delgado e branco.
_Não o conheço._ Voltou a insistir Mamoru ainda que uma breve lembrança o fizesse duvidar das suas palavras.
_E de mim ainda te lembras?_ Aquela sim era uma voz que bem conhecia e por detrás de uma arvore surgiu um vulto de negro, seus olhos arregalaram-se ao ver aquele doce sorriso se insinuar,  não queria acreditar nem parecia minimamente real por isso teve que caminhar até aquele vulto e toca-lo, não era nenhum fantasma era sem duvida sem irmão mais velho, não tinha mudado nada continuava magro e pálido, seus cabelos eram negros com os de Mamoru mas sua pele era fria.
_Não…. Não estavas morto?_ Abraçou-o sentindo o leve aroma a incenso de boa qualidade.
_Eu morri mas regressei á vida, eu disse-te para esperares por mim._ Afagou-lhe os cabelos e contemplou-o._ Estás um verdadeiro homem.
_Como eu disse… está no tempo dele._ O homem atrás de si proferiu olhando o céu._  Está na hora da fruta ser colhida.
_Yusuke quem é esse?_ Mamoru ainda desconfiava daquele sujeito, mas Yusuke logo tratou de o acalmar.
_Hiromi-sama._ Apresentou sem grandes delongas._ Foi ele quem cuidou de mim esse tempo todo, ele curou-me daquela doença que me estava a levar a morte é uma pessoa de respeito.
_Mas porque não disseste nada esse tempo todo? Foram cinco anos, tiveste noção do tempo, eu fiquei tão…_ Yusuke não o deixou terminar de falar e o envolveu num abraço.
_Eu estou aqui… eu estive te vendo de longe esse tempo todo, eu tou são e agora quero-te ao meu lado, para sempre._ De um certo modo esse “para sempre” arrepiou Mamoru e o tal de Hiromi lhe sorria como se o quisesse devorar com o olhar.
_Mas tem uma condição._ Hiromi se intrometeu gesticulando o indicador com se aquilo lhe estivesse dando satisfação.
_Qual é?_ Mamoru perguntou ríspido sem largar o irmão.
_Tens que te tornar servo de Hiromi-sama._ Yusuke disse baixinho e Mamoru nem ligou.
_Isso não é problema, sei fazer de tudo._ Sorriu limpando a camisola empoeirada.
_Não preciso que trabalhes no duro, levarás uma vida boa e reconfortada se seguires as minhas leis._ Hiromi argumentou mas mais uma vez Mamoru ficou desconfiado.
_Isso parece ser bom de mais para ser verdade…_ Retorquiu cruzando os braços._ Diz-me a verdade Yusuke.
_ Hiromi-sama diz a verdade, eu mesmo levo uma vida tão boa que alguma vez poderia imaginar igual, apenas uma coisa vai mudar  Mamoru._ Mamoru olhou assustado o irmão que deixava mostrar suas presas afiadas.
_Nós não somos humanos, somos melhores que humanos, temos a vida eterna._ Mamoru recuou e embateu em algo assim que se virou percebeu que se tratava de Hiromi.
_Mas….vocês são algum tipo de monstros?_ Tentou-se afastar mas Yusuke puxou-o pela mão.
_Podes dizer o que quiseres… até posso ser um mostro mas foi isso que me salvou, Mamoru eu sou teu irmão e senti tua falta, essa é a única maneira de voltarmos a ficar juntos._ Mamoru o fitava indeciso, ao certo nem sequer sabia o que ele era, apenas que não era humano.
_Eu… não sei…. Eu acho que preciso de pensar.
_Mamoru  essa é a melhor solução… além disso vais levar uma vida muito melhor, olha só essas mãos suja._ Yusuke segurou-lhe a mão._ Não precisarás mais de as calejar prometo.
_ Deixa-o pensar, dois dias é o tempo que lhe posso oferecer._ Hiromi adiantou-se e deu de costas começando a caminhar._ É mais que suficiente pois a resposta é obvia.
_Mamoru eu estou esperando por ti._ Yusuke o abraçou e de seguida o deixou, Mamoru ficou os fitando ao  longe sentindo o vento bater forte contra ele, tão forte que achava que era capaz de o arrancar do chão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oi! (◍•ᴗ•◍)
Veio comentar?
Cada autor desse blog recebe um imenso incentivo a cada comentário.
(Comentários anônimos também são bem vindos ^^")
Agradecemos sua opinião! ٩(๑•◡•๑)۶
Mas, se for apenas comentar sobre erros de gramática, isso é dispensável.

Siga-nos no Facebook

o
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...