14.6.16

O Segundo Anjo - Crônicas de Antuerpéria Parte 2 Chapter 12 por Mel Kiryu


Parte 2 Chapter 12

Prólogo

      Era tão quente e aconchegante.
     Não lembrava a última vez que tinha experimentado um sono tão profundo e perigosamente despreocupado.
    Não acordou fortemente abraçado à sua espada dentro da bainha como de costume.
    Ao invés disso, abriu os olhos ainda pesados pouco antes do amanhecer e percebeu Shou ainda dormindo recostado em seu peito, evidentemente de mau jeito.
    Agora se lembrava que ele tinha sentado ao seu lado e dito que estava sem sono na noite passada.
    O que mais perturbava Jang era seu próprio braço acolhendo o corpo de Shou junto ao seu, sua visão ainda se encontrava ligeiramente turva quando notou sua espada caída à beira de onde estava sentado.

     Em raras situações se apartava de sua arma.
     Voltou com seu olhar para Shou, sentia-se cada vez mais desperto, pendendo ao irritado.
   Mas... Que aroma era este? Aproximou-se um pouco mais do cabeça de Shou docilmente encostada em seu tórax e aspirou-lhe o longo cabelo azul, tomou uma mecha em sua mão e teve certeza que cheirava a hibiscos-de-fogo.
   Era como ter na mão um pedacinho de céu perfumado com cheiro de flor.
   Trazendo de volta lembranças remotas praticamente esquecidas em seu âmago.
   Sua mão moveu-se cuidadosa a elevar levemente a face de Shou pelo queixo, a pele corada pelo calor compartilhado por seus corpos tão perto, um dos lados da bochecha marcada pelas tramas do tecido de sua blusa.
    As feições tão delicadas e por conseguinte perturbadoramente belas.
    Longe de parecer o corpo gelado e convulso que tinha encontrado à beira do rio perto dali há cerca de pouco mais de dois dias atrás.
    E esse estranho tentador escolhera ficar ao seu lado.
    Quando Shou antes não passava de um ser sem nome, ferido e sem consciência... Jang também se sentiu veemente atraído por aquele corpo à sua mercê.
    Observar quase demoradamente a nudez de um estranho preencheu seu íntimo de desejos proibidos também quase irrefreáveis.
     Tão profundamente guardados em si.
          Desviou seu olhar para a claridade sutil que penetrava pelo telhado esburacado e Jang suspirou ao passo que Shou se ajeitava ainda entregue ao sono junto ao seu corpo inquieto em tantos sentidos.

                                                               ********


                                             Chapter 12 – Bertrand e as Crianças Contrárias

           Ainda pairava o frescor da manhã, um pouco mais tardia.
__Para onde estamos indo?
__O que você acha, Shou?__ Jang indagou impaciente, como se a pergunta soasse idiota.__ Não podemos ir ao encalço de uma criatura assassina se você está desarmado.
__Isso não responde exatamente ao que perguntei.
__Já vai saber... Não seja tão curioso.
    E tão contrário ao seu tom de impaciência, Jang lhe sorriu por um minúsculo instante.
    Às vezes, Shou não entendia os sorrisos de Jang.
    Não conseguia interpretar seus significados, eram sorrisos repentinos e de pouca duração, como a luz bonita de um farol que de súbito some e reflete em outro lugar, distante do alcance de seu olhar.
    Por vezes seu falar também soava ríspido, quase frígido e destoava com a intensidade de seu olhar que refletia uma amigável e breve ternura.
     Num caminho demarcado por pedras, depois de um certo tempo de caminhada, avistaram uma morada.
    Não era como as construções exuberantes e pouco convencionais da Aldeia de Hanja. Não havia pinheiros e vegetação sobre o telhado. Era uma construção feita com pedras não lavradas, o telhado feito de cedro e nem bem se aproximaram da única casa a vista naquele caminho, duas crianças vieram correndo na direção de Jang.
     Shou que estava logo atrás deduziu no ato que elas o conheciam e que gostavam muito dele, deviam ter por volta de nove a onze anos.
    Um menino um pouco mais sério que o olhava com admiração e uma menina de cabelos ondulados que o abraçou esfuziante pela cintura.
__Sae... Já disse para ter cuidado com a espada.__ Jang censurou ajeitando a espada presa à sua cintura, envolta na bainha.__ O que eu sempre digo a você?
__É que pensei que fosse demorar muito a voltar!__ Ela replicou sorrindo.__ Fiquei feliz em te ver!
   Jang esboçou a intenção de um sorriso, mas em verdade apenas tocou a cabeça ruiva da menina com visível consideração.
__Jang! Já de volta por estas bandas?__ Um homem mais velho se manifestou a se chegar sem pressa.__ E quem seria seu amigo?
__Bertrand, é com você mesmo que preciso falar...__ E Jang olhou por três segundos para trás, a fitar Shou.__ Pode esperar aqui, Shou? Não pretendo demorar.
    Shou sorriu desajeitado, seu lábio tremeu.
__Claro...
__Sae e Kim lhe farão companhia... Não é?__ Bertrand sugeriu e animada, Sae logo deu um jeito de se agarrar ao braço de Shou.
    Já Kim, o garoto mais novo entre os dois irmãos apenas acenou com a cabeça em corcordância com Bertrand.
                                                *********
          Descobriu pouco depois que estava na entrada da Aldeia dos Contrários.
      E aquele lugar fazia Shou pensar nas pessoas que existiam no planeta Terra, no mundo que conhecia criado por Deus. A casa na entrada da aldeia, aquelas duas crianças remetiam o anjo a uma nostalgia que ele nem sabia que era possível sentir.

        Um tempo depois, Jang deixou a casa de Bertrand.
      Trazia consigo um cavalo de pelagem marrom escura, exceto por marcas brancas sobre os quatro cascos, em seu lombo estava atrelado uma sela dupla. Conduziu o animal puxando-o pelas rédeas e acabou encontrando Shou sozinho à sombra de um carvalho.
    Trocaram olhares, Shou sorriu ainda sem jeito porque Jang logo notou que o cabelo longo azul estava preso numa trança única ligeiramente frouxa.
__Foi a Sae... Ela pediu para trançar meu cabelo.
__Não me olhe assim tão sem jeito, Shou... Não ficou mal.
__Como foi com Bertrand?
__Nada além do esperado.
    Jang puxou uma outra espada menor envolta numa bainha cor de castor antes presa a sela dupla no cavalo e jogou num movimento rápido na direção de Shou que a segurou no meio da bainha antes que caísse no chão de terra ou no caminho de pedras.
    Evidente que tinha o conhecimento que era uma espada, mas Shou mirou-se a fitar Jang.
      De modo algum podia considerar em tirar a vida de alguém com tal arma branca.
__Ao menos ficou menos parecido com uma garota.__ Jang sorriu acintoso.
__Não pretendo machucar ninguém com esta espada.
__E eu não pretendo que torne a se machucar.__ Jang rebateu.__ Na próxima paragem, eu te ensino como usar.
__Espero que não a extirpar lobos.__ Shou retrucou atrelando a bainha à sua cintura.
    Jang ainda tinha um sorriso sagaz quando subiu no lombo do animal apoiando habilidoso o pé no estribo, tomando as rédeas.
__Pode ter ficado com dó do animal... Mas, bem que serviu para matar sua fome.__ Jang argumentou a estender-lhe a mão.
     Shou segurou na mão estendida em sua direção, nunca havia montado, mas conseguiu dar impulso suficiente para conseguir montar no acento da segunda sela atrás de Jang.
__É melhor segurar em mim, isso está longe de ser um passeio.
__Jang... Você não perdeu o rastro daquele ser alado? Como sabe para onde devemos ir?
__Há rumores em que a criatura habita as ruínas de Ankh... Mas, algo me diz que ela não está muito longe.
      Shou tinha uma impressão cada vez mais forte que Jang conhecia muito bem sua presa, a certeza na voz dele apenas confirmava que ele podia praticamente prever seus passos.
    Segurou-se em Jang e ouviu sua voz comandar o cavalo juntamente com um movimento firme com as rédeas. O animal disparou com os cascos a se distanciar da aldeia, Shou teve vontade de olhar para trás, porém somente conseguiu agarra-se ainda mais forte em Jang.
     O vento esvoaçava o cabelo ruivo que exalava um suave odor selvagem, toda a essência de Jang era edificada numa liberdade indômita, ardente e truculenta.
     Uma trilha de poeira se ergueu enquanto se distanciavam a um novo destino.

 

12 comentários:

  1. Olá Mel, como vai? =D

    *Comentando sobre os dois últimos capítulos*
    Em pouco tempo que apareceu, eu gostei muito do Zessiel. Parecia um ser de muita luz. Uma pena que ele faleceu :(
    Fiquei curiosa para saber um pouquinho do romance com a Dawn, deve ter sido uma relação tão fofa ♥

    ** Gostando de ver que Jang quer deixar Shou mais combativo! Isso será muito bom para o nosso anjinho... Acho que estou começando a entender quando me dissestes que Shou deixaria um pouco da sua inocência... Mas deve haver algo mais! rsrsrsr
    Jang é o tipo de personagem que eu gosto. Misterioso, mas nos pequenos detalhes ele se mostra, como Shou já observou nos olhares e os sorrisos rápidos ♥ É um enigma delicioso que alguém deve explorar!

    :*

    ResponderExcluir
  2. Tô bem, Golden... E você? ^^"

    Sim, apesar de ter um legado solitário no Tabernáculo, o Zessiel era um mago de espírito muito evoluído. Tenho vontade de escrever algum capítulo extra entre ele e a Dawn.

    Pelo Jang o Shou se transforma num guerreiro... Afinal, foi o que o Jang aprendeu desde pequeno na Aldeia dos Contrários. Mas, é claro que ele ainda vai acabar ensinando outros macetes que vão muito além de um fronte de batalha, rsrs...
    Tô vendo que você simpatiza muito mais com o Jang do que o Etzel.

    Muito obrigada por seu comentário, estava mesmo esperando por ele. :)
    (Não é questão de querer te impelir a comentar, mas essa expectativa é algo que eu não consigo evitar)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem, sim! :DD
      Ahh, ficaria emocionada se escrevesse este capitulo! Shippei muito Dawn e Zessiel rsrsrsr

      Outros macetes? Hm... Compreendo! Espero que o Shou aprenda tudo direitinho!

      *corando* Fico honrada em saber que esperava meus comentários! E eu fico louca pra ler os capítulos! ♥ As estorias estorias estão cada vez mais interessantes!

      Excluir
  3. Oi oi Mel
    Tudo bem?
    Eu hoje já não estou trabalhando, então tou escrevendo ^^"

    ResponderExcluir
  4. Oi, Rima!
    Tô um pouco resfriada, mas tô bem...(Um pouco sonolenta por causa do remédio)
    Êba! Bem que eu queria escrever também... Mas, não sei se tenho pique para isso.

    ResponderExcluir
  5. Nossa que mau... ai também é inverno não é?
    Aqui também está um tempo chuvoso
    Mas é por estar doente, está desanimada ?

    Eu tou escrevendo kimi o ai, só parei para jantar

    ResponderExcluir
  6. É quase inverno, mas por estes dia fez 3 graus na minha cidade (e veja só, chegou mesmo a congelar um lago e a grama ficou coberta de geada!)... É, é difícil coordenar as ideias com este estado de ânimo... (O remédio dá sono, mas não tô afim de dormir), aí fico morgando sem saber o que fazer.

    ResponderExcluir
  7. Assim parece mesmo o tempo de inverno aqui em Portugal~
    Eu quanto era mais pequena punha bacias de água ou baldes a noite toda ao ar livre para no dia seguinte ver a água congelada
    ( sei o que é isso mas remédio que dá sono é terrivel)

    ResponderExcluir
  8. Aí é mais frio, não?
    Se bem que já peguei geadas fora da minha cidade.
    Desculpe ter sumido, primeiro tive que consolar o Luan que descobriu que o periquito morreu e quando pude voltar ao PC, minha net tinha caído.

    ResponderExcluir
  9. srrsrsrs eu até acho giro, gosto de pisar as ervinhas cobertas de geada, se fosse neve então acho que ia adorar *-*
    Não tem problema... os meus pesamos em relação ao piriquito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mel eu vou ter de sair
      Enviei-lhe um capitulo novo ( não conseguia dormir se não o acabasse ^^")
      Beijinhos e até amanhã
      E as melhoras!

      Excluir
  10. Ainda prefiro o frio ao calor.
    Mas, olha que tô achando que esse inverno há de ser rigoroso.
    O periquito estava velhinho...
    Obrigado pelo capítulo!
    Até amanhã, viu?

    ResponderExcluir

Oi! (◍•ᴗ•◍)
Veio comentar?
Cada autor desse blog recebe um imenso incentivo a cada comentário.
(Comentários anônimos também são bem vindos ^^")
Agradecemos sua opinião! ٩(๑•◡•๑)۶
Mas, se for apenas comentar sobre erros de gramática, isso é dispensável.

Siga-nos no Facebook

o
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...