16.4.17

Ilegítimos Capítulo 47 por Mel Kiryu


Capítulo 47

       Se aquele homem estivesse raivoso e descontrolado, seria muito mais fácil vê-lo cometer algum erro ou baixar a guarda.
    Mesmo se ele atirasse, teria boa chance de errar e minhas chances de fuga seriam maiores.
    Mas, decididamente...
    Não era o caso, tão pouco parecia a primeira vez que encontrava um estranho dentro de seu apartamento e o que me preenchia de receio era justo perceber que ele estava se divertindo com a situação, com meu medo.

    Em vez de me aproximar como ele mandou, me segurei acuado na bancada da pequena adega.
    Aonde estava Noa? Ele tinha me abandonado na casa de um estranho? Enquanto eu me fazia essas perguntas, o dono do apê revirou o olhar ainda tendo aquela arma engatilhada.
__Ei, garoto! Por que não se serve de mais saquê? 'Tá na cara que está uma pilha de nervos e Noa não vai dar as caras por aqui... Se bem o conheço, ele só mete os outros em encrencas... Não livra a cara de ninguém.
__Se parar de apontar essa arma para mim, nem vou precisar de saquê... Você... Conhece bem o Noa?    
__Beba mais saquê e eu te conto.
    Mirei-me sério em demasia naquele cara, que sorriso era aquele? Pendia ao amistoso, destoava da arma de fogo apontada na minha direção. Hesitei, mas me virei de lado e me apossei da garrafa de saquê, derramei um bocadinho no copo e bebi sob o olhar daquele homem.
__Eu conheci Noa, assim como conheci você... Do mesmo jeito.
    Minha língua estava anestesiada, eu mal sentia o gosto da bebida. Voltei e fitar meu estranho anfitrião e tomei mais um gole antes de replicar de volta.
__Do mesmo jeito... Quer dizer, que ele invadiu seu apartamento?    
    Comecei a sentir um leve amargor na boca, não era de todo mal. Derramei um pouco mais de saquê no copo para poder continuar... Fingir que aquela arma não estava apontada para mim.
__Tsc! Vou te falar, aquele safado tentou me roubar. Foi um belo de um flagrante... Se foi.
__Também sacou a arma na cara dele?__ Perguntei um bocado mordaz, de mau-humor.__ Se bem que eu não estava roubando você... Noa disse que te conhecia, por isso tomei do seu licor.
   Senti meu rosto se aquecer um pouco, em contrapartida meus pés descalços estavam gelados. Oferecendo outra olhadela para aquele homem, vi que ele desengatilhou a arma e coçou a cabeça com o cano comprido do revólver.
    Parecia sombriamente pensativo... E eu também estava, algo não se encaixava em toda essa história.
    Tomei uma dose grande de saquê quando percebi que aos poucos ele estava mais perto de mim.
Ao menos, ao destravar a arma era perceptível sua desistência em apertar o gatilho.
__Claro que saquei a arma, ainda duvida?__ O sujeito ironizou.__ Imobilizei o Noa e ia dar queixa na polícia, mas ele deu seu jeito de se safar de ficar preso... Não que eu não tenha gostado da ideia.
   Foi então que notei que ele estava de frente para mim e o cano da arma encostou de lado no meu queixo, os olhos verdes pareciam tirar um raio-x da minha face.
__Minha nossa... Você não passa mesmo de um garoto... Tem dezessete?
__Tem alguns meses que fiz dezoito.__ Eu respondi baixo, engolindo a saliva com gosto de saquê.__ Por que Noa tem a chave de seu apartamento? Se ele tentou te roubar...
__Ah, 'tá na cara que você não sabe nada sobre o Noa... Sabe porque livrei a cara dele quando tentou me roubar?
     O homem diante de mim tinha uma cicatriz em um dos lados do rosto, era um corte que tinha cicatrizado na transversal. O tipo de marca que denunciava o quão profundo tinha sido ferido. No instante em que eu me defrontei com aquela cicatriz, o cano da arma veio subindo a blusa que eu vestia, senti roçar em minha pele.
    Um gesto exclusivamente sensual.
    Então, era isso? Meus lábios entreabriram surpreendidos.
    E tenho certeza que o desgosto de minha surpresa também estava estampado em meu olhar, talvez cobrindo todo meu rosto.
     A névoa da mais densa desilusão.
__Noa é bom em fazer favores sexuais...__ Ele replicou, complementando o gesto sensual feito pela arma em sua mão.__ Mas, algo me diz que você também sabe disso.
    O cano da arma deslizando frio, fazendo minha pele se arrepiar involuntariamente.
   Quando no fundo era como se me faltasse o ar, Noa se prostituía com esse homem que também não escondia o desejo de seu olhar ao esquadrinhar minha tez.
__Eu tenho que saber... Ele é meu namorado.
    E ao dizê-lo, fiquei chocado com minha voz que parecia anunciar uma tragédia.
    Para acabar de piorar a situação, a risada contida dele me atravessou.
__Ah, não acredito que Noa teve coragem de abandonar o namorado dele, assim... De mão beijada para mim.
    Eu movi brusco as minhas mãos sem mesmo pensar, queria empurra-lo, todo meu corpo estava em eminente fuga.
    Contudo, o homem da cicatriz apertou o cano da arma contra minha costela, ouvi o som de seu dedo no revólver e eu estremeci violentamente por dentro.
__Qual é, garoto... Você não quer me dar motivos para puxar o gatilho.
    Meneei com minha cabeça, apertei meus olhos ao sentir seus lábios deslizarem em meu rosto.
   Seus lábios estavam frios, ou minha face que estava muito quente e o cano da arma corria na minha pele devagar, era pura lascívia.
__Isso mesmo... Você é uma gracinha.__ Ele soprou no meu ouvido, chupando a pele por trás da minha orelha.
    Terminando de subir minha blusa, ele pressionou o cano da arma sob meu queixo e mergulhou a boca morna em meu mamilo.
        Acariciando vigorosamente minha virilha.
      Foi então que dei por mim que o único modo de lidar com a situação, de não surtar de medo e de asco, era fingir... Continuar fingindo que eu era Noa.
     Imagino que Noa considerasse o homem da cicatriz atraente, o perigo e o desconhecido eram uma espécie de fetiche para ele.
     Tive que entrar no personagem, mudar o meu olhar a cerca dessa situação...



6 comentários:

  1. Nossa, que enrascada, Demian O-O Todo dia aparece um problema diferente na vida dele. Me pergunto quem é esse e se vai se tornar fixo, me parece muito perigoso... E interessante, apesar do que está fazendo agora kkk...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Hidan foi bem o início do tsunami na vida do Demian... Um erro atrás do outro e ainda assim eu considero uma grande aventura. (Porque eu sou uma escritora que não bate bem, rsrs...)

      Excluir
    2. Ah, sim! E eu só me preocupo com o bichinho :-/ acho que eu me envolvo demais com os personagens kkkk
      Espero que esse cara não seja tão complicado quanto tô pensando, só em usar uma arma para intimidar já me deixou com medo.

      Excluir
    3. Mas, você há de convir que o sujeito precisa de uma arma tendo um vizinho como o Noa que fica invadindo o apê do cara sem ao menos avisar... E bem, ele ainda tem uma cicatriz bem marcada no rosto, sinal que passou por uma situação ruim e tende a ser desconfiado...
      Eu também me envolvo muito com os personagens... Excessivamente. ^^"

      Excluir
  2. Meu Deus!
    Em primeiro não acredito que o Noa tenha deixado o Demian assim, conhecendo bem aquele homem quem merecia levar uma tarei era o Noa
    Ainda assim esse homem não parece mau de todo ( eu não devo estar a pensar bem o.O)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, depois o Noa vai ter que dizer o porque... Afinal, o Demian vai querer uma bela satisfação.
      Não, tem razão... O cara da cicatriz não é de todo mau.

      Excluir

Oi! (◍•ᴗ•◍)
Veio comentar?
Cada autor desse blog recebe um imenso incentivo a cada comentário.
(Comentários anônimos também são bem vindos ^^")
Agradecemos sua opinião! ٩(๑•◡•๑)۶
Mas, se for apenas comentar sobre erros de gramática, isso é dispensável.

Siga-nos no Facebook

o
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...