7.5.17

Devalli Demons Capítulo 34 por Golden Moon


Capítulo 34

Eu nunca pensei que a condição de demônio poderia trazer algum tipo de vergonha a Dylan. Na verdade, aquilo me fascinava de um jeito esquisito que eu poderia achar que ter aqueles poderes era algo incrível. Mas... Ser rejeitado, caluniado, mesmo que nunca tenha mexido com ninguém realmente deveria ser terrível.



– Eu te entendo, Dyl... Mas, eles estão aqui e em Virginia nada aconteceu.

– Meus familiares deram um tempo por agora. Nossa líder pediu paciência, por conta dos Goon... Ah! Falando nela, está aqui também. – repentinamente, surgiu uma animação estranha em sua voz.

– Ela é boa pessoa, apesar de tudo. – encolheu os ombros.

– Quando poderei vê-los? – perguntei, interessado.

– O dia que você puder. – ele deu de ombros – O irmão mais novo de Louis vem para cá, já que eles passarão uma temporada longa por aqui. Ele tem a mesma idade que você, será seu colega de turma... – acariciou um fio do meu cabelo, olhando-o sobre a luz do sol – Não sei se na mesma turma. O nome dele é Philippe.

– Estranho ele entrar quase no meio do ano... Mas, tudo bem.

– Meus familiares ficaram curiosos com o caso do seu tio e sobre o baile também. Nós achamos um tanto estranho essa festa às pressas. – o tom de voz de Dylan ganhou uma seriedade estranha, mas eu até o compreendia.

– Também acho... – lembrei-me das discussões de ontem, recapitulando tudo para contá-lo. –vamos ter banda, confeitos finos e convidados de outras cidades.

– Você sabe quem são estes convidados? – perguntou, interessado.

– Senhores da capital..  Além de parentes do meu tio.

– Parentes do seu tio... – ele coçou o queixo, maquinando algo... E eu segurei a curiosidade para não perguntar o que era. – Você os conhece?

– Quando era pequeno fui à capital com meus pais... Vi alguns deles, mas não me lembro claramente... Foi há muito tempo.

– Tudo bem. – ele beijou a minha bochecha, arrancando-me um sorriso de imediato. Estar ali com ele parecia que eu entrava em um universo paralelo, onde a felicidade reinava para mim... Eu deveria aproveitar o máximo de sua companhia.

Repentinamente, Gilbert surgiu em minha mente, com suas febres e agressividade nunca vistas nele. Lembrei-me das palavras desconfiadas de Louis e como ele pensava em meu tio com um impostor... Aquelas reações do meu primo realmente eram estranhas, mas nada... Não poderiam ter alguma relação com tudo aquilo que acontecia, mas... Aquelas íris vermelhas, tão assustadoras. Uma voz distante clamava ao fundo, chamando, talvez, o meu nome...

– William! – meu corpo respondeu ao chamado de Dylan, sobressaltando acima das pernas dele. – não se aflija tanto...

Ele roçou o nariz em meu pescoço, pensando que eu ainda refletia sobre os meus pais... Mas, minha preocupação era completamente diferente.

– Não é sobre minha mãe... É o filho do Erin, Gilbert.

– O que ele tem?

Olhei para a grama e suspirei fundo, procurando organizar meus pensamentos. Comecei a falar, sem ao menos olhar em seu rosto:

– Está agressivo, com febres repentinas... Que vão e voltam como de brincadeira. E ontem... – quando fitei o rosto de Dylan, seus olhos estavam arregalados e a boca se entreabria, como se fosse escapar alguma palavra a qualquer momento.

– Algum problema? – indaguei, surpreso por sua expressão

– Continue.

– Ontem durante o jantar, ele e meu irmão estavam brincando no quarto. E ele tentou agredir Arthur com bloquinhos de madeira, depois caiu feito defunto ao chão, ardendo em febre.... E.. – lembrei-me das íris vermelhas novamente, e hesitei em continuar a contar os fatos, estava com medo do que ele iria me dizer – Enquanto a babá saía para procurar minha tia, eu vi... Eu vi os olhos dele mudarem de cor.

Agarrei-me ao seu rosto extremamente sério.

Dylan olhou para baixo e eu percebi que ele não piscou durante toda a minha fala. Realmente, ele não precisava dizer mais nada para mim. Algo de sobrenatural ocorria com meu primo, como eu já desconfiava. Eu só precisava saber o que era.. Se ele soubesse o que realmente acontecia, claro.

– Dylan... Você pode... – hesitei, querendo saber pelo menos uma hipótese sobre aquilo.

Ele balançou a cabeça para os lados, balbuciando algo que eu não consegui compreender.

– William, eu não... – Dyl apertou os olhos, deixando clara a sua perturbação.

Eu não poderia voltar atrás naquele momento. Precisava ouvir algo mais sobre aquilo. Encarei firme os seus olhos, sério.

– Por favor, Dylan. Não me esconda nada. – disse, em um tom mais alto que o normal.

Ele devolveu o olhar, com a mesma firmeza que o meu.

 – Vamos à minha casa.

2 comentários:

  1. Apesar de ser um bom momento para estarem junto.... vem sempre problemas para eles falarem -.-"
    Bem...Acho que ao menos o Dylan sabe o que o Gilbert possa ter e nao deve ser coisa boa
    ( e por amor de Deus depois disso esses dois vão ter um momento lindo, romantico e mais caliente sempre preocupações *-*)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKKK pois é, Rima-san, eles tem muito com o que se preocupar k
      Mas não se preocupe, os dois vão ter um momento somente deles depois disso.

      Excluir

Oi! (◍•ᴗ•◍)
Veio comentar?
Cada autor desse blog recebe um imenso incentivo a cada comentário.
(Comentários anônimos também são bem vindos ^^")
Agradecemos sua opinião! ٩(๑•◡•๑)۶
Mas, se for apenas comentar sobre erros de gramática, isso é dispensável.

Siga-nos no Facebook

o
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...