18.5.17

Linden Twins ♫ ♬ Capítulo 36 por Mel Kiryu


Capítulo 36

     Era algo nostálgico retornar à casa de sua infância.
    No entanto, Jiang tratava de estrangular essa nostalgia nociva.
    A casa de seu pai ficava numa área de sítios, dentro de um vale e não era muito comum ir até lá.
    Quando Jiang queria ver seu pai, Guzheng Linden, costumavam marcar em algum ponto no centro da cidade para se encontrarem, passarem algum tempo juntos e geralmente almoçavam num restaurante de comida tailandesa.

    Não que fosse o tipo de comida preferida de seu pai, mas ambos gostavam de ir no restaurante tailandês de sempre porque era como um rito em memória de Lien Linden, mãe e esposa que já havia falecido há vários anos.
     Foi o caseiro, que também cuidava do jardim de peônias rosadas, que atendeu Jiang assim que    ele chegou.
     E não tardou a encontrar seu pai entre as flores, usava um chapéu de abas largas para proteger a pele muito clara do sol e tinha nas mãos uma pá de jardinagem.
     Tão logo pôs os olhos em seu filho, Guzheng abriu um sorriso generoso e desfez-se de sua pose de pretenso jardineiro a pendurar o chapéu na varanda da casa, deixando a mostra os cabelos brancos que tinha assumido já que considerava seus cinquenta e três anos bem vividos.
      Seu pai sentou-se numa cadeira de balanço que gostava na varanda e Jiang sentou-se na beira de uma rede de franjas.
__Aconteceu algo extraordinário que eu deva saber, Jiang?
__Parece o Luciel falando, pai... E precisa acontecer algo demais para que eu venha vê-lo?
__Não é questão... Você não costuma largar a loja para simplesmente vir me ver.
__Deixei a loja aos cuidados do Luciel e de um rapaz que contratei... Porque queria pedir permissão para entrar nos quartos que eram meu e do Huang.
    Guzheng não olhou o filho com desconfiança, mas com uma intensa curiosidade.
__No seu quarto até entendo... Mas, no quarto do Huang? Pensei que evitasse essas lembranças.
__Tem algo que preciso entender sobre o Huang.
__Está pensando em fazer as pazes com ele? Vocês dois provavelmente brigam desde que compartilhavam o mesmo útero.__ Guzheng retorquiu bem humorado.
__Digamos que tenho pensado nele... Mais do que o normal.
__Ah, ninguém mais do que eu adoraria que vocês se entendessem... Nem precisava pedir permissão, Jiang. Essa casa é tão sua quanto minha.
    Jiang deixou a beira da rede aonde tinha sentado, engolindo à seco enquanto fitava a entrada da casa.
__Só uma coisa... Como vai o Luciel?__ Guzheng inqueriu.__ Há poucos dias estive com Daniel e ele estava preocupado com o filho... Sabe que o pai dele não aprova que ele tenha um estúdio de tatuagem... O que preocupa Daniel é se realmente o Luciel consegue o dinheiro que precisa para se manter.
__O Lu não é só tatuador, pai... Ele também é body-piercing e se algo estivesse errado, eu provavelmente seria o primeiro a saber.
__Eu sei, vocês sempre cuidaram um do outro... Já o Huang era cercado por tantas pessoas, mas não se apegava a nenhuma, não lembro de Huang tendo um melhor amigo... Ele sempre foi o filho mais solitário.
__ Era o próprio Huang que afastava as pessoas, pai.__ Jiang rebateu.__ Isso não é "ser" solitário, é escolher ser solitário.

      Somente a conversa sobre Huang já causava desconforto em Jiang, por isso não prolongou mais a conversa com seu pai e entrou na casa, notando que falavam sobre Huang no pretérito.
     Huang era...
     Huang foi...
      Era o próprio Huang que afastava as pessoas...
      Como se estivesse morto.

      Jiang sentiu um arrepio sinistro ao ter esse pensamento.
      Subindo para o segundo andar aonde ficavam os quartos.
      Apesar de seus quartos ficarem no mesmo trecho no segundo andar, as portas se localizavam em extremidades opostas, como polos opostos de um mesmo corredor.
      Jiang parou entre as duas portas.
      Preferiu não entrar em seu antigo quarto, ou arrumaria um pretexto para se perder por horas por lá e ficaria tarde para entrar no quarto de Huang.
      Teve que respirar fundo, buscando a determinação que o fizera deixar a loja para trás, aos cuidados de Luciel e Syaoran.
      De fronte a porta, metade de sua determinação dera no pé, sem mais.
      Era como se fosse abrir a porta e encontrar Huang lá dentro com o amplificador ligado, os pedais de distorção pelo chão enquanto ele mesmo estava sentado na beira da cama de solteiro apoiando a sua primeira guitarra em uma das cochas.
     Engoliu a seco segurando na maçaneta redonda com seu brilho dourado um tanto apagado pelo tempo.
     E quando abriu a porta, tendo o coração em suspenso, ouviu dentro de sua mente a voz de Huang ríspida e brava perguntando: "Fecha essa merda de porta! Quantas vezes já falei para não entrar no meu quarto, Jiang?"
     Mas, assim que a porta se moveu, encarou o interior imóvel, vazio e poeirento.
     Sem a reverberação do amplificador ligado, sem a voz em tom cortante de Huang.
     Tudo perturbava Jiang.
     A presença marcante e a ausência torturante de Huang.
     Não podia negar, por mais que brigassem e as brigas fossem insuportáveis, sentia-se profundamente ligado ao seu irmão.
     Ligado de um jeito um tanto doentio.
     Huang eram como agulhas infincadas em seu coração e Jiang não tinha coragem de tirar.
    Era como se essas agulhas que fizessem seu coração sangrar, doer e purgar fossem parte de seu ser.
     Ainda que qualquer outro diria que essas agulhas não passassem de corpos estranhos, que elas não deviam estar enterradas ali e que estavam matando Jiang lentamente.
     Trocou passos vagarosos, tal como se esperasse que seu irmão saísse debaixo da cama ou de dentro do armário e lhe desse um baita susto.
     Huang cairia numa cruel gargalhada logo depois... Tinha certeza.
     E no entanto, tudo em volta continuava terrivelmente silencioso.
      Silêncio esse que dava margem a lembranças, fatos que Jiang preferia esquecer e acabavam por embrulhar seu estômago.
      E que deixavam seus olhos previamente marejado pelas lágrimas.

2 comentários:

  1. Se Jiang já sente algo tão intenso somente em entrar no quarto do irmão, imagino quando ele voltar :-\ Os dois parecem ter personalidade bem opostas, a briga deveria ser feia :'(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. você depois vai presenciar como são as brigas dele, além do fato que no próximo o Jiang vai ser invadido por algumas lembrança bem vívidas.

      Excluir

Oi! (◍•ᴗ•◍)
Veio comentar?
Cada autor desse blog recebe um imenso incentivo a cada comentário.
(Comentários anônimos também são bem vindos ^^")
Agradecemos sua opinião! ٩(๑•◡•๑)۶
Mas, se for apenas comentar sobre erros de gramática, isso é dispensável.

Siga-nos no Facebook

o
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...