5.7.17

Linden Twins ♫ ♬ Capítulo 57 por Mel Kiryu


Capítulo 57

      "__Aquela agenda de capa dura, o livro da Sylvia Plath... Você já sabia que o seu irmão queria se matar?"

        Era a segunda vez que seu pai fazia essa pergunta.
       E a resposta parecia óbvia, Jiang estava certo de que Guzheng se negava a acreditar.
__Como eu poderia ter certeza de algo, pai? Assim como o senhor, eu não via Huang há três anos... Nunca pensei que ele tivesse o tipo de um suicida... Isso, até esse último sumiço dele... Até...
    Jiang parou de falar, reprimiu um longo suspiro que se antecipava entre suas palavras.

__Como o senhor descobriu sobre o livro da Sylvia Plath?__ Jiang recomeçou, sabendo que estava sendo evasivo.
__Eu te disse.__ Guzheng rebateu aborrecido.__ Achei estranho ter me pedido para entrar no quarto do Huang e quando você ligou avisando que ele estava no hospital... Eu vasculhei aquele quarto antes de partir com meu carro para Shoei.
__O senhor leu?__ Jiang perguntou tomado por uma obscura sensação de medo.
__As partes do livro grifadas por Huang? Claro que eu li... E aquela agenda! Jiang, você surrupiou aquela agenda e escondeu de mim aquela lista macabra nas últimas folhas.
__Pai...__ Jiang retrucou desarmado.__ Eu só descobri aquela lista...
__E como se não bastasse!__ Guzheng interrompeu o filho, sua voz cada vez mais zangada.__ Tentou roubar o namorado de seu próprio irmão!... Achei que pelo menos um de vocês fosse hétero...
     Sentiu o desdém vibrar na voz brava de seu pai e Jiang não tinha exatamente certeza se ele estava mais bravo por ter escondido o que sabia sobre Huang ou por ter descoberto que seu outro filho também tinha tendências homo afetivas.
     Jiang quase deixou escapar: "Mas, eu também gosto de garotas..."
    Contudo, entendia que não era bem essa a questão.
    E não sabia bem o que dizer, enquanto tinha a garganta deserta de saliva.
__Pai...__ A voz de Jiang saiu num miado indefeso.
__Sabe o que acho? Você escondeu os fato de mim, porque queria que seu irmão morresse.
__Quê?... Não!...
__Não?__ Guzheng questionou com firmeza imbatível.__ Então, por que não me avisou quando descobriu as evidências? Por que negou a ajuda que seu irmão precisava?
__Eu não neguei!... Eu fui até Shoei para encontrar o Huang!...
__Para encontrar?...__ Seu pai repetiu desiludido.__ Talvez, quisesse ter certeza que ele levasse até o fim o que estava escrito naquela agenda...
__Pai...__ A voz de Jiang tremia, enquanto sentia um aperto angustiante na garganta seca e quente.__ Eu não queria a morte do meu irmão... O que eu tenho que fazer para o senhor acreditar em mim?
__Repense suas atitudes, Jiang.__ O seu pai pediu, tentando quebrar o tom de zanga na voz grave.__ Eu, mais do que ninguém, sei que vocês dois nunca se deram bem... Mas, também nunca imaginei que chegasse a este ponto.
     A decepção na voz de seu pai recaía em Jiang como um bloco maciço de concreto.
    Fazendo o ar dentro da loja ficar mais pesado, denso, como se as paredes também se aproximassem e tornassem o em torno deveras sufocante.
__Por isso, se lhe ocorrer vir a minha casa... Não venha, Jiang.__Guzheng replicou pesaroso, apesar de inexoravelmente decidido.__ A recuperação de Huang não será nada fácil, consegui que ele aceitasse ir ao psiquiatra... Porque, se fosse pelo médico do hospital de Shoei... Huang seria internado.
__Quando ele vai ao psiquiatra?...__ Jiang perguntou, mortificado.
__Segunda ou terça... O Daniel vai conseguir uma consulta para o Huang com um psiquiatra conhecido dele.
__Daniel?...__ Jiang perguntou a agitar-se, como se fosse invadido por um sopro.__ O senhor Daniel Laine, pai do Luciel?...
__Sim, sim... Desculpe te pedir algo assim, mas por enquanto... É melhor que fique longe do seu irmão.
__Pai! Eu nunca fui uma ameaça para Huang! O senhor não percebe?... Sempre procurei ser um filho obediente!__ Jiang gritou.__ Por que eu sou sempre o errado?... Por que teima em proteger o Huang?
__Porque você é o irmão que se calou, quando já sabia que Huang pretendia morrer.
    Aquela resposta foi outro golpe, dita com a simplicidade frígida de um iceberg.
    E antes mesmo de encerrarem aquela ligação, lágrimas mornas desciam em filete pelo rosto tenso de Jiang, pingaram por seu queixo a gotejarem nas costas de uma de suas mãos sobre o balcão de vidro.
    Queria tanto contar que somente tinha lido aquela lista nas últimas páginas da agenda quando estava dentro do trem para Shoei, que tudo que desejava era fazer parte da vida de Huang, apesar de seu irmão atormentá-lo possivelmente desde que foram gerados no mesmo útero.
    Dizer que se envolver com Syaoran tinha sido um erro, que não podia controlar às vezes seu próprio egoísmo, que às vezes sentia uma raiva torturante e que também era demasiado difícil ser a sombra do seu irmão gêmeo mais velho...
     Mas, em vez de dizer o que sentia, Jiang apertou um lábio contra o outro, apertou os olhos e ouviu a voz de seu pai se despedindo.
    Sem conseguir responder, porque tinha medo de revelar o quanto estava triste e magoado, confuso e só.
    Ouviu o estalo do telefone de seu pai caindo no gancho.
    E mesmo sabendo que não havia ninguém que pudesse ouvi-lo, indagou ao fone junto ao seu ouvido, a voz embargada pelo choro:
__Pai, porque somente Huang é digno de sua atenção? Se eu também me sinto desamparado... Se ele também foi egoísta a ponto de não se importar com ninguém ao tentar tirar a própria vida? Será que cortar os pulsos dentro de um banheiro é o único modo de ter sua atenção? De deixar de ser a pessoa errada na história ao menos uma vez?...

                         Jiang nunca saberia a resposta.
   
   

4 comentários:

  1. Eu tô chorando, é sério. Poxa, eu não tiro a razão de Guzheng de ficar frustrado, com raiva e tantos mais sentimentos podem lhe passar... Mas essas palavras, essas conclusões dele, deram um impacto ainda maior no sofrimento de Jiang. Sei que ele não sabe tanto da situação do filho, mas o bichinho já brigou com o amigo, viu o irmão quase morrer, se desiludiu com Syaoran, está sozinho... Desamparado. Os dois se odeiam, mas acho que não chegaria a esse extremo.
    Enfim, mas antes de sentir qualquer hostilidade por Guzheng, quero saber os motivos da superproteçao dele..
    Enfim, olha eu me chorando e sentindo pelos personagens de novo.

    Capitulo lindo, Mel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem sei o que dizer, Golden... Mas, realmente o Guzheng desconhece o que o Jiang tem passado em sua intimidade. Talvez, porque esse é o padrão de comportamento do Jiang desde que saiu de casa e foi viver sua vida, a partir daí o pai dele não fica a par dos acontecimentos de seu cotidiano.
      No próximo capítulo, mostra os sentimentos do Huang.
      Obrigada, viu?
      Eu tento dar o meu melhor quando escrevo. (Mas, não é sempre que eu consigo, rsrs...)

      Excluir
  2. oi Mel! o capitulo esta lindo, fiquei muito triste por que o pai de jiang esta culpando ele da tentativa de suicidio do huang. Mel cade o luciel estou com saudade dele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pai e filho ainda vão se entender. Eles só precisam de um tempo e quanto ao Luciel... Pode deixar que o Jiang não vai descansar enquanto não estiver com ele!

      Excluir

Oi! (◍•ᴗ•◍)
Veio comentar?
Cada autor desse blog recebe um imenso incentivo a cada comentário.
(Comentários anônimos também são bem vindos ^^")
Agradecemos sua opinião! ٩(๑•◡•๑)۶
Mas, se for apenas comentar sobre erros de gramática, isso é dispensável.

Siga-nos no Facebook

o
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...