Linden Twins ♫ ♬ Capítulo 78 por Mel Kiryu


Capítulo 78

         Por volta de duas da manhã caía uma garoa fina.
       Saiu pelos fundos do bar que dava num estacionamento, havia apenas dois carros parados ali e tudo que havia nas demais vagas vazias eram incontáveis poças de chuva marcadas pelos respingos que caíam com a mansidão soturna da madrugada.
    Luciel sentia o frio da noite em seu rosto, as gotículas acumuladas em seu cabelo escuro volta e meia desciam pelas laterais de sua face, por meados de sua testa e escorriam pela ponta de seu nariz.

    Mais adiante, do outro lado da rua, havia o ponto de ônibus coberto por uma comprida marquise.
     Não tinha sido uma noite muito movimentada no Feitiço da Lua, talvez em virtude do mau tempo. Luciel saiu caminhando por entre as poças, pensava somente em voltar para casa e encontrar Jiang.
     Foi quando viu um vulto sentado em dos cantos daquele estacionamento, seu coração disparou porque dentro da pálida iluminação pública pensou ter visto justo Jiang, que estava tomando por inteiro seus pensamentos.
    No entanto, Luciel ficou ainda mais assombrado quando se aproximou com incerteza nos passos e deparou-se com Huang sentado e recostado num pilar, abraçado aos joelhos enquanto observava aquela garoa cair.
    Huang estava imóvel e um tanto pálido, não tinha muita cor em seus lábios e aparentava ter tomado muita chuva. Seu cabelo comprido estava úmido e em ondas que caiam-lhe pelos ombros.
   Sem perceber a presença de Luciel no primeiro instante.
   E estava de fato quase tocando no ombro de Huang, quando ele piscou e mirou-se em sua direção, tão sinistramente belo e melindroso.
    Dificilmente Luciel confundia Huang e Jiang, mas naquele instante a imagem de ambos se fundiu em sua mente e isso era o bastante para se sentir desnorteado.
__Huang... Por que está nesse estacionamento? É tão tarde e está tão frio...
__Eu queria ficar sozinho... E fazer parte da chuva me acalma.
    Luciel estendeu a mão para Huang e ele aceitou a gentileza no gesto, agarrou a mão de Luciel e ergueu seu corpo frio e anestesiado com a ajuda dele.
__Mas... Seu pai, Syaoran... Fazem ideia de que está aqui?
__Nem pensar.__ Huang sorriu bem de leve.__ Estão sempre me vigiando aqueles dois.
    Ainda segurava a mão de Huang e a sentia bem mais gelada do que a sua, Luciel engoliu à seco perturbado com o ímpeto que sentia de também proteger Huang.
__Cara... Huang, talvez você tenha algum prazer em deixar aqueles dois preocupados... Mas, já parou para pensar no quanto isso custa a você mesmo?
__Qual é, Luciel...__ Huang suspirou, desviando por um momento o olhar.__ Eu não ligo para mim, não ligo se ficam preocupados.
__Está triste demais para ligar para si mesmo... É isso? Jiang me contou o que houve em Shoei.
    Huang fechou o rosto numa expressão sisuda e ressentida ao ouvir o nome de seu irmão, recusou-se a dar qualquer resposta e Luciel sentiu um aperto no coração, apenas conseguiu puxar Huang pela mão, tal como fazia às vezes com Jiang quando estavam dentro de seu apartamento.
    Mas, aquele rapaz triste e ensopado parecia ter os pés colados no chão.
__O que você pretende, Luciel?__ Huang tinha a voz baixa e enfezada.
__Nada mesmo... Só vou te levar para casa.
__Por que isso agora? Está com pena do gêmeo suicida?
    Tinha uma agressividade velada no falar de Huang.
__Você sempre foi uma pessoa difícil, Huang... E bem que às vezes eu ficava com muita raiva quando Jiang sofria com as brigas que você tinham, mas sei lá... Ficou claro para mim que durante todos esses anos, você só refletia para os outros a sua volta a dor que já sentia e ninguém fazia ideia.
    Huang apenas ouviu as palavras olhando atentamente para Luciel, estava largamente sério e calado e não relutou quando Luciel o abraçou pelos ombros e saíram andando juntos...
       Indo em direção ao Feitiço da Lua, Luciel sabia que Lalo ainda estava lá dentro.

     Tinha posto as cadeiras para cima das mesas.
     Lalo estava varrendo, dando uma pequena geral no bar antes de ir para casa e nem soube o que pensar quando viu Luciel que já tinha saído a algum tempo voltar, junto... Junto de quem?
__Ué! Luciel... Mas, o que 'tá fazendo aqui com o...
__Você o conhece, Lalo.__ Luciel tratou de interromper.__ É o irmão do Jiang, será que você se importa se eu usar o telefone? Não tenho créditos no celular. 
__Não...__ Lalo retrucou ainda olhando com estranheza para os dois.__ Se precisa... Pode usar.
__Valeu.

        Huang estava sentado num canto do balcão, observando Luciel falar no telefone com seu pai. Tinha parte de seu corpo recostado contra a parede.
    Então, a ligação foi encerrada e Luciel olhou em seus olhos opacos.
__Meu pai surtou, né?__ Huang perguntou, como se fosse motivo de piada, com seu sorriso de garoto mau.
__Bem, ele está vindo com Syaoran... Você tem verdadeiro prazer em deixa-los loucos por sua causa, isso seria uma espécie de compensação?
__Nossa, Luciel... Devia largar o emprego de Barman e ser psicólogo.__ Huang soprou em suave tom de troça.
__Por hora serei "sua babá".__ Luciel ironizou oferecendo um meio sorriso cansado.__ Vou ficar contigo até seu pai chegar.
__Que belo modo de começar seu aniversário...
    A voz de Huag soou tão casual, quase pensativa.
   E Luciel parou por perto, de fronte a Huang.
__Diga a verdade... Não foi coincidência você ter vindo parar no Feitiço da Lua, foi Huang?
__Eu não entrei no bar, entrei? Não fiz nenhum esforço para ser notado por você.
    Um silêncio ameno recaiu entre os dois, Lalo estava a certa distância colocando as cadeiras no lugar.
__Luciel... Alguém já te deu os parabéns?
    Em resposta, Luciel meneou com a cabeça... O único que sabia de seu aniversário era Lalo, mas os dois tinham ficado boa parte da noite trabalhando atrás do balcão do Fetiço da Lua.
__Eu posso?...
    A pergunta de Huang tinha um tom dócil e inofensivo enquanto abria de leve os braços e um tanto sem graça, Luciel deu de ombros.
    Não deixou a banqueta que ocupava, abraçou Luciel ali mesmo. Passou os braços fatigados pelos ombros úmidos de Luciel e também sentiu ele abraça-lo timidamente.
    Aquele abraço era um abrigo para Huang.
    Encostou seu queixo no ombro de Luciel e fechou os olhos.
    Sua voz saiu num sussurro pouco depois.
__Não consigo dizer "parabéns"...
__Não faz mal.__ Luciel cochichou.
__Obrigado por me salvar de mim mesmo... Luciel.

6 comentários

  1. Aí, que lindo :'( Fico com o coração apertado por Huang.. e que gesto fofo de Lucie, fez um bem danado sem nem perceber.
    Esse sentimento de Huang me deixa angustiada... :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, a imagem de capa é linda. ^_^

      Excluir
    2. A partir de agora o Huang vai aparecer muito mais no enredo, alguns altos e baixos irão acontecer... O que vai perturbar e conturbar bastante a vidinha do Jiang.
      Verdade que o Luciel fez um bem danado sem perceber.

      Excluir
    3. Sobre a imagem, eu a tinha guardada faz algum tempo para esse capítulo. ^^"
      Que bom que você gostou, Golden!

      Excluir
  2. boa tarde Melzinha posta os capitulos por favor estou ansiosa pra ler

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Dineia. Eu não consegui postar esses dias por causa das trovoadas, toda vez que tinha um tempo vago... Elas caíam na cidade e eu tinha que desligar tudo. Mas, hoje estou postando. ^^"

      Excluir

Oi! (◍•ᴗ•◍)
Veio comentar?
Cada autor desse blog recebe um imenso incentivo a cada comentário.
(Comentários anônimos também são bem vindos ^^")
Agradecemos sua opinião! ٩(๑•◡•๑)۶
Mas, se for apenas comentar sobre erros de gramática, isso é dispensável.