Red District This Side of the Moon 44 por C.C & Mel Kiryu

 
Capítulo 44 
                                           O encontro do Dragão com a Serpente

                  Deixou seu carro no estacionamento rotativo e caminhou um trecho a pé.
           A entrada para os limites do Red District não estava longe, mas não era este o seu destino naquela manhã.
         Embora tivesse destruído todas as informações a cerca de sua última investigação junto de seu informante, Hagane ainda tinha memorizado certo endereço de um estúdio de tatuagens.
      Antes de entrar na loja, pensou que essa era a última coisa que ia fazer antes de comprar as passagens para deixar o país naquela noite, encontraria contatos da máfia na Coreia e depois iria para Singapura.

     Foi atendido por quem supunha que fosse o tatuador e após uma troca educada de olhares e de interesses velados, Hagane teve a primeira palavra:
__Ouvi falar desse estúdio de tatuagem, foi bastante recomendado... Porém, ainda quero decidir o que tatuar, queria algo exclusivo, nada disso que se vê pronto em pastas cheias de desenhos.
__Todos os nossos desenhos são exclusivos, feitos consoante os desejos do cliente. Tinha algo em mente?
__Penso numa espécie de kitsune... Talvez, estilizada em forma de máscara.
__Hum... Entendo, só um instante. Yuri-chan! Chega aqui!
     E surge quem Hagane queria ver, Watari ou Yuri como também é conhecido, colide seu olhar com o mafioso de olhos dourados e o impacto dessa colisão apenas é sentido secretamente pelos dois homens.
     A primeira reação de Yuri é fechar o semblante a se aproximar de má vontade, soltando um "tsh" baixinho com os lábios rebelados.
__Este é o Yuri, ele é um dos nossos melhores desenhistas, de certeza que ficará satisfeito com o trabalho dele.
     Claro que Hagane sorri sem mostrar os dentes, tendo um divertimento sutil estampado em sua face e os olhos vivazes fixos em Watari.
__Certamente... Após resolver-me a cerca dos detalhes com Yuri, tornarei a falar com você.
    O tatuador se afasta após assentir num gesto com a cabeça e à sua frente, Hagane tem um designer de tatuagens calado, olhando-o com a máxima desconfiança e notável desagrado.
__Compreendo a sua cisma, Yuri... Mas, não vim a procura de encrenca. Será que tem tempo para tomar um café? Queria apenas conversar.
         Depois do Hagane o convidar, Watari aceitou contrariado a retorquir:
__Não me chames Yuri.
__Então, prefere que o chame de Watari? Não importa tanto, desde que aceite meu convite para tomar um café.
      Ele pegou no casaco já caminhando para a porta. 
__Podias ao menos disfarçar que sabes metade da minha vida.
__Levando em conta sua reação quando nossos olhares se encontraram, suponho que andou atrás de uma informação ou outra sobre mim.__ Hagane replicou sorrindo com um divertimento amigável.__ Vamos lá, então.   
        Os dois seguiram até uma cafeteria localizada no interior daquele prédio comercial, Hagane escolheu uma mesa num lugar discreto, onde poderiam ter liberdade de conversarem ainda que Watari se mostrasse pouco aberto a ideia.
     Pediram dois cafés expresso e Watari despejou dois envelopes de açúcar em seu copo, Hagane pediu o seu com creme e não adoçou.
__Não precisa ficar tão na defensiva... Decidi conversar, porque queria pedir desculpas por ter espionado sua vida, pensei que eu estava fazendo algo do tipo por uma boa razão.
       Ele  estreitou o olhar sobre Hagane com um meio sorriso sarcástico:
__ A sério? Pedires desculpa por aquilo que para ti não passa de algo banal do dia a dia? O que queres afinal, Akane?
__Não é tão banal quanto você pensa... Acha que saio espionando qualquer um?__ Hagane arguiu mais seriamente, uma ponta de ironia seca na voz.__ Essa investigação era importante para mim, desde o início tudo girou em torno de encontrar Lawrence. Se acha pouco minhas desculpas... O que eu posso fazer para compensar?
__Não quero nada de alguém que dispara uma arma com a mesma facilidade com que mente._Os olhos miravam-se em Hagane quase em tom de desafio como se esperasse que ele sacasse de uma arma ali mesmo.
     Hagane estreitou igualmente seu olhar sobre Watari.
__Para a sua decepção, eu não trouxe minha arma. Se eu tivesse mesmo intenção de atirar em você, acha que eu o teria convidado para tomar um café? Você é um bocado lento, se quer saber.
    E logo depois de dizê-lo, Hagane finalmente provou de seu café.
__Achas que se tivesses uma arma eu tinha aceitado vir?
    Mais do que as palavras, Hagane leu o meio sorriso de Watari.
__Ah, é? Então... Sabia que eu deixaria minha arma no porta luvas do carro? Ou está blefando, ou é bastante perspicaz.__ Ele disse deixando seu café sobre a mesa, a ironia reverberando em doses cavalares em sua voz irritadiça.__ Escuta, Yuri, Warari ou seja lá como você gosta de ser chamado... Estou aqui fingindo que não estou puto da vida, tudo que eu quero é sentir que fiz pelo menos uma coisa certa! Então, para com a porra desse joguinho e deixa eu te pedir desculpas antes de deixar a porcaria que é esse país.
     E Hagane inspirou com força e pensou, quase dizendo em voz alta: "Será que isso é pedir demais?"
__Então finalmente decidiste revelar-te. __Watari escondeu a surpresa pela reação de Hagane e desconfia ainda mais que algo se passou e isso está ligado a Lawrence. __Quem te ouvir falar pensa que se eu não aceitar as tuas desculpas não poderás partir.
__'Tá de sacanagem com a minha cara?__ Hagane rosnou.__ Se não quiser aceitar minhas desculpas vou embora de todo jeito! Você é mesmo um tipinho bem imaturo, Watari.
    Pela primeira vez Watari deu uma gargalhada voltando depois a um olhar afiado:
__O imaturo aqui és tu, Akane Hagane. Isso é o quê? Remorsos causados pela rejeição?
     Ao contrário do que o próprio Hagane imaginava, não sentiu a raiva ácida comum e assumiu uma posição de reflexão, deslizando o dedo indicador pela borda do copo morno.
__Não... Parando para pensar, não me senti rejeitado. Fiquei bravo como nunca por descobrir que Lawrence gostava de outro homem e seguramente, o único remorso que eu tenho... É ter desviado o curso da bala, depois de ter apertado o gatilho.
     Watari arregalou os olhos não conseguindo disfarçar o espanto desta vez. Aquela provocação tinha sido um tiro no escuro e nunca pensara que para além de ter um fundo de verdade Hagane iria desabafar aquilo com ele. 
__Tentaste...? Bom, não interessa. Pareces demasiado patético neste momento para eu continuar.
__"Patético"?__ Hagane deixou a palavra incômoda escapar dos próprios lábios.__ Vê-se logo que você nunca se apaixonou.
      E as palavras não soam como provocação, mas sim com uma pesada melancolia.   
__E pelo que vejo não estou a perder nada. __ Watari retira o açucar que ficara no fundo da chávena com a colher comendo-o permanecendo com a colher na boca. __ Na minha opinião não precisavas de nada disto, só estás à procura de uma rota de fuga mais confortável. E eu não sou nenhum substituto.
__Se está assim tão aborrecido com a minha companhia... Fique a vontade para voltar para a loja.__ Hagane desdenhou suavemente a também mergulhar o dedo no copo e lamber o creme na pele e sob a unha.__ Só lamento que tenha entendido tudo errado, era só um pedido de desculpas... Não estava flertando com você.
__Graças a Deus, se fosse isso preferia que tivesses trazido a arma.__ Watari brincou com um sorriso discreto escondido pela colher ainda presa em seus lábios.
     Embora Hagane não pudesse ver o sorriso, reconheceu o tom de brincadeira na voz de Watari, devia ser a primeira vez que ele baixava a guarda desde que aquela conversa se iniciara.
__Bom... Seu amigo tatuador disse que você é o melhor designer da loja... Não quer mostrar para mim o seu trabalho?
__Hum... __ Ele pegou numa folha do guardanapeiro da mesa e numa caneta que trazia no bolso do casaco largando a colher na chávena. __ Diz-me sumariamente o que queres.   
__Uma máscara de kitsune.__ Hagane debruçou-se na mesa a espiar as mãos de Watari detendo o guardanapo e a caneta.__ Com uma flor de lótus aberta... Gostaria que o desenho tivesse ares místicos, como se invocasse algum tipo de mistério e sensualidade.
    Ele vai rabiscando à medida que vai ouvindo e acaba por desenhar algo demasiado detalhado e Watari deixa-se levar muito facilmente por isso, quando terminou encarou o desenho fazendo uma careta a pensar, "entusiasmei-me demais". 
__Desculpa, não era bem isto. Eu faço outro. __ Disse a amassar o guardanapo.
     Hagane tocou-lhe a mão que estava segurando a caneta e puxou-a num gesto suave para si, apanhou outro guardanapo e diante do olhar de Watari escreveu algo.
      Antes que Watari pudesse perguntar, Hagane entregou-lhe o papel.
__Não se apresse, Watari... Tem aí meu telefone, faça com calma e ligue para mim quando tiver feito um desenho que considere ideal.
     E nisto Hagane levanta-se, prestes a pagar os dois cafés e se retirar.
__Pois é... Pelo visto, terá que aturar-me por mais um bocado.__ Hagane disse definitivamente de saída e sorri tão cúmplice quanto agradecido.__ Fico a espera da tua ligação... Watari.
     E vendo-o sair, Watari adquiri uma legítima cara de paisagem, a sussurrar para si:
__Ele acabou de me flertar?...
     
     

7 comentários

  1. Ou é de mim ou esses dois vao dar um parzinho romantico
    E eu ate que gosto de imaginar. ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha que vai, Rima... Mas, isso ainda vai é render uma boa confusão.

      Excluir
    2. humm tou vendo um amir torrido e conflituoso

      Excluir
    3. E com o universo conspirando contra. :/

      Excluir
    4. Shii mas o universo nao tem mais que fazer do que cospirar contra eles?

      Excluir
    5. Acho que não é o universo em si.
      São algumas pessoas que vivem dentro desse universo.

      Excluir
  2. Que delicinha esse dialogo dos dois hehehe espero que Hagane supere o coração partido

    ResponderExcluir

Oi! (◍•ᴗ•◍)
Veio comentar?
Cada autor desse blog recebe um imenso incentivo a cada comentário.
(Comentários anônimos também são bem vindos ^^")
Agradecemos sua opinião! ٩(๑•◡•๑)۶
Mas, se for apenas comentar sobre erros de gramática, isso é dispensável.